Diocese, Notícias › 29/04/2021

Padre Carlos Veraldo é sepultado em Petrópolis

“Vocês perderam um irmão. Eu perdi um filho”. Foi com esta frase que Dom Gregório Paixão, OSB, bispo da Diocese de Petrópolis, concluiu a homilia na missa de Sufrágio da Alma do Padre Carlos Veraldo Pereira, sepultado na manhã de quinta-feira, dia 29 de abril, no Cemitério Municipal de Petrópolis. O bispo, assim como os padres diocesanos, amigos e familiares do Padre Veraldo, manifestou profunda tristeza pela perda do sacerdote, afirmando que ele se preparou para está na casa do Pai.

Padre Carlos Veraldo, 57 anos, morreu na manhã de quarta-feira devido a complicações causadas pela Covid-19, depois de passar oito dias internado no Hospital Unimed. Cumprindo os protocolos sanitários, o sepultamento aconteceu sem velório, inclusive a missa não foi de corpo presente, como normalmente ocorre com a morte de um sacerdote. A missa, celebrada às 8h, na manhã do dia 29 de abril, na Catedral São Pedro de Alcântara, foi presidida pelo bispo diocesano e concelebrada por diversos padres da Diocese, contou com a presença dos familiares do Padre Veraldo e amigos da Paróquia São Sebastião do Carangola e de Venda Nova em Teresópolis.

Em sua homilia, Dom Gregório Paixão contou que, na noite de terça-feira, foi ao hospital visitar Padre Veraldo e seguindo todas as orientações da equipe médica, foi ao local onde o sacerdote estava e mantendo um distanciamento orientado pela equipa médica, rezou pelo sacerdote. “Não pôde chegar próximo, mas, com toda segurança e usando roupa específica para o local, rezei pelo Padre Veraldo. Naquele momento, a enfermeira que me acompanhava me disse que o estado dele era gravíssimo e entendi que ele estava se preparando para a grande viagem. No seu coração havia o desejo da eternidade. Fui para casa depois da oração e no dia seguinte, recebi a notícia que Padre Veraldo já estava na casa do Pai”.

O bispo diocesano lembrou que, ao longo de seu ministério sacerdotal, Padre Veraldo soube “alimentar a alma de tantos outros irmãos através da Eucaristia, que ele fazia em nome da Igreja e de Nosso Senhor para que não faltasse no coração da humanidade o pão que alimenta a alma”. Dom Gregório Paixão falou sobre a saudade que fica em todos pela perda de um irmão tão querido. “Vivemos neste mundo, mas o nosso caminhar é para Deus. Feliz é aquele que buscou a Deus. Muito mais feliz é aquele que o encontrou definitivamente e é esta certeza que temos pela vida de nosso irmão”, afirmou o bispo.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.