Artigos, Notícias › 30/10/2021

Duplo Mandamento do Amor

No Evangelho (Mc 12, 28-34), lemos como um doutor da Lei fez uma pergunta a Jesus com toda a retidão. Este homem tinha presenciado o diálogo de Jesus com os saduceus e admirou-se com a resposta do Senhor. Decidiu então conhecer melhor os ensinamentos do Mestre e perguntou-lhe qual era o primeiro de todos os mandamentos. E Jesus, apesar das duras acusações que lançará contra os fariseus e os escribas, detém-se agora diante desse homem que parece querer conhecer sinceramente a verdade. No fim do diálogo, animando-o a dar um passo mais definitivo em direção à conversão, dir-lhe-á umas palavras alentadoras: Não estás longe do reino de Deus. Jesus sempre se detém diante de toda a alma em que brota o menor desejo de conhecê-lo. Agora, pausadamente, repete ao seu interlocutor as palavras do texto sagrado: Ouve, Israel: o Senhor teu Deus é um só Deus; e amarás o senhor teu Deus com todo o teu coração… É claro o ensinamento de Jesus sobre o maior Mandamento: o Mandamento do Amor, que é duplo: amar a Deus e amar ao próximo.

Amar a Deus e amar ao próximo: se fossem fáceis não seriam mandamentos. O amor está no centro da experiência cristã. Não há ninguém que não ame, mas o que interessa é qual o objeto de seu amor. Nossa fé não diz apenas para amar, mas a quem amar.

De fato, o Mandamento do Amor só pode ser plenamente posto em prática por aquele que vive numa relação profunda com Deus, precisamente como a criança se torna capaz de amar a partir de uma boa relação com a mãe e com o pai. São João de Ávila, escreve no início do seu Tratado do Amor de Deus: “A causa que em maior medida estimula o nosso coração ao Amor de Deus é considerar profundamente o amor que Ele teve por nós… Este, mais que os benefícios, estimula o coração a amar; porque aquele que presta um benefício a outro, dá-lhe algo que possui; mas aquele que ama, dá-se a si mesmo com tudo o que tem, sem que lhe reste algo mais para dar”. Antes de ser um Mandamento – o amor não é uma ordem – é um dom, uma realidade que Deus nos faz conhecer e experimentar, de modo que, como uma semente, possa germinar também dentro de nós e desenvolver-se na nossa vida.

Se o amor de Deus ganhou raízes profundas numa pessoa, ela torna-se capaz de amar até quem não o merece, como faz precisamente Deus em relação a nós. O pai e a mãe não amam os filhos só quando o merecem: amam-nos sempre, mesmo se naturalmente lhe fazem compreender quando erram. De Deus nós aprendemos a querer sempre e só o bem e nunca o mal. Aprendemos a olhar para o próximo não só com os nossos olhos, mas com o olhar de Deus, que é o olhar de Jesus Cristo. Um olhar que parte do coração e não se detém na superfície, vai além das aparências e consegue captar as expectativas profundas do outro: expectativas de ser recebido, de uma atenção gratuita, numa palavra: de amor. Mas verifica-se também o percurso contrário: que abrindo-me ao outro tal como ele é, indo ao seu encontro, pondo-me à disposição, abro-me também ao conhecimento de Deus, a sentir que Ele existe e é bondoso. Amor de Deus e amor ao próximo são inseparáveis e estão em relação recíproca. Jesus não inventou nem um nem outro, mas revelou que eles são, no fundo, um único Mandamento, e fê-lo não só com palavras, mas sobretudo com o seu testemunho: a própria Pessoa de Jesus e todo o seu Mistério encarnam a Unidade do Amor de Deus e do próximo, como os dois braços da Cruz, vertical e horizontal. Na Eucaristia Ele doa-nos este amor duplo, doando-se a Si mesmo, para que, alimentados por este Pão, nos amemos uns aos outros como Ele nos amou.

O amor do qual o Evangelho insiste é sair de si mesmo para fazer o outro feliz. Exige compromisso com a verdade e com o bem moral, e jamais deveria ser confundido com paixão. A paixão é um sentimento mais ou menos transitório e que pode ter diversas causas.

O amor não é um sentimento, mas um ato de vontade, que pode ser acompanhado por um sentimento. Pode haver amor sem sentimento e sentimento sem amor, o que é pura paixão, desejo. Sentir não é amar. Amar é querer que o outro cresça, se desenvolva, se faça melhor. Isso não se refere às próprias necessidades ou desejos simplesmente. É a razão iluminada pela fé que dirá o que é o bem e o mal para o outro.

Jesus explica aos seus discípulos que é preciso amar os inimigos e orar pelos perseguidores. Trata-se, portanto, de um amor sem limites, sem medida.

Para viver o amor é preciso incomodar-se, é preciso desinstalar-se, é preciso aproximar-se e ocupar-se do próximo. Aprender de Jesus e dos santos como viver o amor.

O amor do qual se fala no Evangelho é fundado sobre a fé, um amor que reconhece que a fonte do amor não está no homem, mas em Deus. É um amor que provém de uma união com Deus. Não se trata de um amor puramente humano, trata-se de acolher o amor de Deus. Que o Espírito Santo transforme os nossos corações, pois o amor é a virtude mais importante do cristão, enquanto peregrinamos nesta terra, e será também a nossa ocupação no Céu, onde não existirá mais a fé, já que veremos Deus face a face, nem existirá mais a esperança, porque teremos chegado à meta. Somente o amor permanecerá. Aqui exercitamos o que depois viveremos em plenitude.

Amamos a Deus cumprindo os mandamentos e os nossos deveres no meio do mundo, evitando a menor ocasião de pecado, vivendo a caridade em mil detalhes… e também nesses gestos que podem parecer pequenos, mas estão cheios de delicadeza e de carinho para com o Senhor: uma genuflexão bem feita diante do Sacrário, a pontualidade nas práticas de piedade, um olhar dirigido com carinho ao Crucifixo ou a uma imagem de Nossa Senhora… São precisamente estas expressões aparentemente pequenas que mantêm aceso esse amor ao Senhor que nunca se deve apagar.

Tudo o que fazemos pelo Senhor são insignificâncias diante da iniciativa divina. “Deus me ama… E o Apóstolo João escreve: “Amemos, pois, a Deus, porque Deus nos amou primeiro”.  – Como se fosse pouco, Jesus dirige-se a cada um de nós, apesar das nossas inegáveis misérias, para nos perguntar como a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?”…

— É o momento de responder: “Senhor, Tu sabes tudo, Tu sabes que eu te amo!”, acrescentando com humildade: – Ajuda-me a amar-te mais, aumenta o meu amor!” (São Josemaria Escrivá, Forja, 497).

Por intercessão da Virgem Maria, rezemos para que cada cristão saiba mostrar a sua fé no único Deus verdadeiro com um testemunho límpido de amor para com o próximo.

Ó Deus, frutifique em nós a vossa graça, a fim de que, preparados por vossos sacramentos, possamos receber o que prometem.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.