Diocese, Notícias › 10/08/2021

Dom Gregório: “Virgem Maria é um perfeito exemplo a ser seguido e imitada”

Clique na imagem para ver outras fotos

Como ocorreu em 2020 por causa da pandemia causada pela Covid-19, este ano, no dia 10 de agosto, a Romaria Diocesana ao Santuário Nacional de Aparecida foi também apenas com o Bispo Diocesano, Dom Gregório Paixão, OSB e com o clero diocesano. Poucos fiéis, seguindo todo protocolo sanitário e da direção do Santuário, foram a Aparecida acompanhando os padres e participaram da missa, presidida por Dom Gregório no Santuário Nacional.

Em sua homilia, Dom Gregório Paixão agradeceu a presença do clero e a todos os fiéis da Diocese de Petrópolis que acompanharam e participaram da missa transmitida pela TV Aparecida e pelo canal do Santuário no Youtube e compartilhada em todas as redes sociais e no site da Diocese de Petrópolis.

Dom Gregório Paixão lembrou a festa celebrada no dia 10 de agosto, que é de São Lourenço, diácono da Igreja Católica martirizado durante o governo do imperador romano, Valeriano, no ano 257. O bispo de Petrópolis lembrou que o imperador mandou decapitar o Papa Sisto II, exigindo que o diácono Lourenço levasse até ele todo tesouro da Igreja. O bispo conta que o diácono cumpriu a ordem de Valeriano e levou até ele todo tesouro que a Igreja possuía.

– Lourenço entrou no palácio de Valeriano com uma multidão de aleijados de pobres, os mais diferentes homens da sociedade. Invisíveis aos olhos do imperador, mas visíveis aos olhos de Deus. O imperador sem entender nada pergunta a Lourenço o que é isso, onde está o Tesouro da igreja que você me prometeu trazer. Lourenço, diante daquele imperador diz ‘aqui está o Tesouro da igreja, são os pobres. Aqui está o verdadeiro tesouro da igreja, os abandonados. Aqui está, veja, aqueles que o senhor não consegue enxergar’. Por causa da atitude do diácono, cheio de ódio, o imperador Valeriano manda assar sobre uma grelha Lourenço e esse homem em meio aos sofrimentos de estar sendo queimado, assado, ele tem a capacidade, olhando para o seu algoz dizer ‘Senhor perdoai, ele não sabe o que faz’, repetindo a mesma palavra que Jesus Cristo disse quando estava na Cruz. Assim, a exemplo de seu Deus e Salvador Lourenço entregou a sua vida através de um martírio cruento, contou o bispo de Petrópolis.

Aproveitando o martírio de São Lourenço, Dom Gregório Paixão explicou a diferença entre o martírio cruento e o incruento. O martírio cruento é o que sofreu o diácono e muitos cristão ao longo da história do cristianismo, que é o martírio de sangue daqueles que foram mortos por causa de Jesus Cristo e por causa do seu evangelho.

Já o martírio incruento é aquele vivido por muitos cristãos que vivem totalmente devotados ao Senhor superando as dores da vida, enfrentando os sofrimentos por causa deste mesmo Senhor. Jesus Cristo. Partindo desta explicação, Dom Gregório Paixão afirmou que a primeira a viver este tipo de martírio foi a Virgem Maria.

– Conhecemos tantos Santos ao longo da história que viveram esse martírio incruento. Mas, inegavelmente temos um exemplo de uma pessoa na vida da igreja que viveu esse martírio de uma forma plena. Estava grávida pelo poder do Espírito Santo e ali começou o seu martírio. Logo depois teve que ver o nascimento do seu filho numa terra estranha. Ali estava o seu martírio incruento. Depois ouve do velho Simeão aquela palavra que ela guardou no mais profundo do seu coração: você participará da vida desse seu filho e ‘uma Cruz traspassará o seu coração’ e assim foi toda a sua existência. Estando ela própria diante de Jesus Cristo pregado numa Cruz, vivendo ao máximo o seu martírio. Essa história de total doação a Deus sem a regar jamais e ao mesmo tempo, na dignidade de sua vida de esposa de mãe, se colocou totalmente diante de Deus para oferecer ao senhor um sacrifício perfeito através de uma vida Santa e Imaculada, frisou o bispo.

Como bispo da Diocese de Petrópolis, Dom Gregório Paixão, OSB afirmou que, todos os diocesanos ali representados por ele e pelo clero, estão no Santuário Nacional “porque queremos colocar diante dessa querida mãe a nossa vida e pedir a sua intercessão. Nós queremos seguir o seu exemplo. Foi verdadeiramente, não apenas a primeira discípula a primeira cristã. Ela é o exemplo perfeito daquela que colocou toda a sua vida à disposição do senhor, à disposição do seu mestre. Vivendo as alegrias, mas também sabendo superar os sofrimentos. Olhando a sua vida, mas atenta à vida dos irmãos. Querendo a todos servir por causa daquele que é seu Deus e seu Salvador, Jesus Cristo”.

Dom Gregório Paixão frisou ainda que a Virgem Maria é “para nós um perfeito exemplo a ser seguido e como santidade a ser imitada. Queremos aqui neste Santuário Nacional colocar a vida de todo o povo brasileiro nesse tempo de pandemia, desse povo que sofre, mas um povo que não desiste”.

O bispo pediu a Nossa Senhora Aparecida que olhe por todos os brasileiros desempregados, pelos pobres, “aqueles mesmos que foram apresentados por São Lourenço e a exemplo daquele pobrezinho de Nazaré, Jesus Cristo, que foi servido pela Virgem Maria e que dando-nos o exemplo, salvou toda a humanidade através do seu martírio incruento. Queremos de um modo especial e oferecer este santo sacrifício da missa de um modo especial para os amados diocesanos da nossa diocese de Petrópolis, daqueles que estão em Petrópolis, Teresópolis, Areal, São José do Vale do Rio Preto, Magé, Guapimirim e em duas porções queridas a nossa Diocese, Bemposta, Sebolas e Matozinhos. Porque estamos aqui para pedir a intercessão de nossa Santa Mãe, Senhora Aparecida. Que como mãe tão bondosa intercede por nós e nos ensina verdadeiramente a servir aquele que é o Senhor”.

Antes de concluir sua homilia no Santuário de Aparecida, o bispo de Petrópolis fez uma apelos para que “abramos o nosso coração a obra de Deus, que se faz hoje visível pelo nosso testemunho e olhando para o exemplo da sempre Virgem Maria sigamos aquele que é o único Senhor. Para que com Ela e com todos os santos, a exemplo de São Lourenço, vivamos um martírio incruento e para alguns talvez o próprio martírio cruento enquanto caminhamos cheios de fé, cheios de confiança, transformando o mundo, superando as dificuldades como essa pandemia para entregar o nosso coração diante daquele que é o Senhor”.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.