Falsos profetas – 4ª-feira da 12ª Semana do Tempo Comum – Mons. Paulo Daher

No 2º. Livro dos Reis, 22,8-13; 23, 1-3, o sumo sacerdote Helcias encontrou o livro da lei na casa do Senhor. Levou-o ao rei. Ao ouvir toda a leitura do livro da lei, o rei mandou que se apresentassem diante dele todos os anciãos de Judá e todos os habitantes de Jerusalém no templo do Senhor. Foi lido todo o livro da lei do Senhor. De pé  o rei concluiu a aliança diante do Senhor, obrigando-se a seguir o Senhor e a observar seus mandamentos de todo o seu coração, para cumprir as palavras da aliança escritas naquele livro. E todo o povo aderiu à aliança.

O Livro Sagrado que ajuda os cristãos em suas vidas chama-se Biblia: a história do Povo de Deus. A 1ª.parte chama-se Antigo Testamento. Aconteceu antes de Cristo. A 2ª. parte chama-se Novo Testamento ou Nova aliança. É a partir de Cristo.

A Igreja Católica sempre cuidou bem deste livro sagrado, apresentando aos católicos o sentido verdadeiro da Bíblia, Palavra de Deus.

Na Bíblia temos livros Históricos. Contam os acontecimentos da vida do povo de Deus. Há  outros livros que se chamam Sapienciais. São os que têm mais ensinamentos e orientações certas para a vida em todos os momentos e lugares.   Algumas pessoas foram enviadas pelo Senhor para orientar, ensinar, corrigir os erros do povo. São os Profetas. Tiveram também o cuidado de alimentar a esperança na vinda do Salvador de todos.

Chegado o tempo, apareceu Jesus, nosso Salvador. Viveu em Nazaré. Aí trabalhou. Já  adulto foi levando a mensagem do Pai a todos os habitantes da Palestina. Após sua morte e ressurreição subiu aos céus.

Iniciou então sua Igreja com a ação do Espírito Santo. Os apóstolos andaram por toda a parte falando sobre a vida, ensinamentos, milagres, sofrimentos, morte na cruz e ressurreição de Cristo… Tudo isso os evangelistas nos apresentaram ao escreverem os Evangelhos.

No Novo Testamento, o livro Atos dos Apóstolos apresenta a história do Novo Povo de Deus, os primeiros anos da Igreja de Cristo. O Apocalipse mostra misteriosamente os últimos acontecimentos da história da humanidade.   Mas durante o tempo ainda dos apóstolos, alguns deles escreveram suas Cartas, lembrando os ensinamentos de Cristo, aplicando à vida prática de cada dia.

Na Bíblia encontramos uma palavra para todas as idades e situações:

Sobre as Crianças: O Reino de Deus é dos que se parecem com as crianças (Lc 18, 16) Sobre os Jovens – Jesus crescia em estatura, sabedoria e graça diante de Deus e dos homens. (Lc 2, 52) Para os Esposos – Deus criou o homem e a mulher à sua imagem. Unidos são uma só vida.(Gn 2,24) Para as Pessoas de Idade – O velho Simeão, era um homem bom: o Espírito Santo guiava sua vida (Lc 2, 22)       Para as Horas alegres – Deus ensinou-me a cantar uma nova canção de louvor (Sl 40(39), 4) Para as horas tristes – Teu amor, Senhor, vale mais que a vida. Falarei de tua bondade. (Sl 63(62), 4)

Sobre a Fé – A fé consiste em realizar o que se espera. É a certeza do que não se vê.(Hb 11, 1) Sobre a Esperança – Espera no Senhor. Fortalece teu coração. Espera sempre no Senhor (Sl 27(26), 14) Sobre o Amor – Deus é Amor. Amemo-nos uns aos outros. Quem ama está  com Deus (1Jo 4,7)

Diante de tão grande riqueza podemos dizer a Deus: Obrigado, Senhor. tu sempre tens uma palavra de carinho para todos. Vou buscar na Bíblia este alimento para nossa vida.

Em Mateus,  7, 15-20, Jesus disse: tomem cuidado com os falsos profetas. Vestem-se como ovelhas, mas são lobos. Logo o conhecerão por seus frutos. A árvore boa dá bons frutos a árvore má maus frutos.

Por mais qualidades que tenhamos, pelo esforço que fazemos para conseguir as coisas de que precisamos, desde pequenos vivemos competindo.  É por vaidade, é por querer aparecer, e por não perder o que conquistamos… Há dentro de nós uma espécie de insatisfação do que somos e do que temos.

Isso vem desde o início da vida da humanidade. Lá no paraíso, a serpente veio com aquele conversa maliciosa com nossos primeiros pais, e perguntou-lhes porque não poderiam comer do fruto da Árvore da Vida. Eles responderam: porque Deus nos proibiu. E a serpente astuta disse: Ele proibiu porque no dia em que vocês comerem deste fruto vocês serão como deuses. E desobedecendo provaram do fruto proibido.

Vocês vão de tornar deuses, poderosos, igual ao Senhor. Começamos querendo disputar até com Deus.

Depois, Caim em vez de procurar saber porque os frutos, o sacrifício que seu irmão Abel oferecia a Deus, agradavam mais ao Criador do que os seus sacrifícios, matou o irmão.

Toda a história da humanidade apresenta casos e mais casos de disputas entre irmãos, entre amigos, entre colegas de serviço e infelizmente até na vivência da religião. Os apóstolos que acompanharam Jesus por três anos, fazendo tudo o que Jesus pedia, realizando milagres em seus trabalhos missionários, também foram repreendidos por Jesus porque discutiam sobre quem seria o maior dentre eles.(Mc 9,34)

Tudo o que refletimos pode levar-nos a entender, sem um sentido mais forte, o que Jesus falou sobre falsos profetas. Na vida em família, nos grupos de comunidade sem a pessoa perceber, embora possa ter responsabilidade nos trabalhos, acontece não se cuidar mais em dar exemplo de verdadeira vida cristã. Sem perceber alguém pode estar à frente de um trabalho sério e até se esforce por corresponder, mas sua vida religiosa pode ser só aparência. Trabalha bem, mas não está tão revestido da humildade e disponibilidade do verdadeiro cristão, seguidor de Jesus.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on print
Print