Diocese, Notícias › 01/09/2021

Encontros on-line para celebrar o Tempo da Criação

A Comissão Diocesana Laudato Sí – Santa Bakhita para celebrar o Tempo da Criação, que vai do dia 1º de setembro a 4 de outubro, vai realizar três encontros on-line neste período, tendo como temas “Uma casa para todos. Renovar o Oikos de Deus”, “O lixo: um problema social, ambiental e de saúde” e “Os objetivos da Comissão Diocesana”.

Durante todo o Tempo da Criação, que se inicia com o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, 1º de setembro, a Comissão Diocesana quer sensibilizar as pessoas, principalmente os fiéis da Diocese de Petrópolis, de cada um pode contribuir com o cuidado da Casa Comum, o planeta Terra.

Seguindo a orientação do bispo diocesano, Dom Gregório Paixão, OSB e do Sumo Pontífice, Papa Francisco, a Comissão Diocesana Laudato Sí vem trabalhando na elaboração do projeto “Igreja Sustentável”. De acordo com os coordenadores da Comissão, o projeto tem por objetivo desenvolver uma série de atividades nas paróquias que visam a Ecologia Integral, onde toda preservação ambiental tem por objeto a preservação de toda criatura, fundamentalmente o ser humano.

No Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, o Papa Francisco ao final de sua catequese, no dia 1º de setembro de 2021, falou sobre o Tempo da Criação, frisando que, nos próximos dias será divulgado uma mensagem escrita por ele, junto com o Patriarca Ecumênico Bartolomeu e o Arcebispo de Cantuária, Justin Welby. “Junto com os irmãos e irmãs de diferentes confissões cristãs, rezemos e trabalhemos pela nossa Casa comum nestes tempos de grave crise planetária”

No sexto aniversário da encíclica “Laudato si”, em 24 de maio passado, Dom Bruno-Marie Duffé, secretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, em uma carta convidou todos os fiéis a promover o Tempo da Criação nas paróquias e comunidades locais, incentivando todas as realidades eclesiais a difundir seu espírito, “ajudando os fiéis a serem conscientes de que viver a vocação de ser guardiães da obra de Deus é parte essencial de uma existência virtuosa, não algo opcional ou mesmo um aspecto secundário da experiência cristã”, como afirmou o Pontífice na encíclica (217).

O Tempo da Criação, destacou Dom Duffé, é também “um momento fundamental para os católicos elevarem a voz dos mais vulneráveis e se mobilizarem a seu favor em vista das duas importantes cúpulas da ONU”: a Conferência da das Nações Unidas sobre Biodiversidade (Cop15), programada de 11 a 24 de outubro na China, e a Conferência sobre Mudança Climática (Cop26), em Glasgow, de 31 de outubro a 12 de novembro. O secretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral também exortou os fiéis a aderirem a “iniciativas de mobilização como a petição ‘Planeta Saudável, Povo Saudável‘, apelando fortemente para uma ação corajosa para proteger a criação”.

O objetivo da petição, acrescenta Cecília Dall’Oglio, representante do Comitê Diretor Ecumênico Mundial para o Tempo da Criação, é “pedir planos ousados aos governos para tornar realidade as promessas do Acordo de Paris”. Nossos Animadores Laudato si’, presentes em todo o mundo, estão treinando para se tornarem promotores de petições, para que em cada evento realizado para o Tempo da Criação, possam ser coletadas muitas assinaturas e assim serem cada vez mais numerosos ao exigir políticas diferentes”.

Crise e deslocamento climático

Foi o Papa Francisco em seu prefácio às Diretrizes Pastorais sobre o Deslocamento Climático, quem indicou que não sairemos da crise como a do clima ou a crise da Covid “fechando-nos no individualismo, mas somente estando juntos, através do encontro, do diálogo e da cooperação”. O representante do Movimento Laudato si’, que apresentou o documento na Sala de Imprensa da Santa Sé, lembra como ele destaca “a importância de promover campanhas de informação e programas pastorais que ressaltem a gravidade da crise climática e do deslocamento climático, focalizando a face humana da crise e a necessidade de ações urgentes”, combinando assistência humanitária, educação para a reconciliação, proteção dos direitos e da dignidade, oração, liturgia e apoio espiritual e psicológico.

Entre as iniciativas da edição de 2021 está “Uma tenda para todos”, com um convite para armar barracas em lugares simbólicos. A Agesci, Associação Italiana de Guias e Escoteiros Católicos, o fez na Praça Santa Clara, em Assis. A presidente, Barbara Battilana, recorda que ali mesmo, na Basílica, “está conservado o Crucifixo de São Damião, diante do qual o Pobrezinho de Assis estava rezando quando recebeu o pedido do Senhor para reparar a sua casa”. Para os jovens da Agesci, assegura, “daquele ponto parte um exemplo e uma referência contínua para poder montar as barracas em todos os lugares e transmitir a mensagem de cuidar da nossa casa comum, não como uma empresa individual, mas comunitária”.

“Por outro lado, a Tenda de Abraão”, confirma Cecilia Dall’Oglio, “nos lembra que o Senhor armou sua tenda no meio de nós. Enraizados na fé de Abraão, atravessamos as dificuldades e sabemos como ter uma visão de esperança que nos caracteriza como cristãos. A tenda”, acrescenta, “está aberta em todos os lados porque acolhe, é um espaço de diálogo e é somente no diálogo com todos, inclusive com os não-crentes, que podemos com os outros credos ter sucesso na construção da casa comum. É também o símbolo da essencialidade, da leveza, de uma pegada no chão que não deixa uma marca ecológica pesada para as gerações futuras. A tenda também nos recorda dos que não têm um teto sobre suas cabeças, nos recorda dos refugiados, pensamos em nossos irmãos e irmãs sírios que estão há 10 anos em campos de refugiados no Líbano”, em uma ligação especial que une o Tempo da Criação com o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, em 26 de setembro.

Fonte: Vatican News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.