Liturgia diária › 22/05/2017

Ano A – 2ª-feira da 6ª Semana da Páscoa – Evangelho – Jo 15,26 – 16,4a

Liturgia da Horas
Ofício do dia da semana do Tempo Pascal
Laudes (Manhã); Hora Sexta (Meio dia); Vésperas (tarde) e Completas (noite)

Liturgia da Missa
Cor: Branco – Missa: Prefácio da Páscoa.

Leituras do Dia

1ª Leitura – Leitura dos Atos dos Apóstolos 16,11-15

11Embarcamos em Trôade
e navegamos diretamente para a ilha de Samotrácia.
No dia seguinte, ancoramos em Neápolis,
12de onde passamos para Filipos,
que é uma das principais cidades da Macedônia,
e que tem direitos de colônia romana.
Passamos alguns dias nessa cidade.
13No sábado, saímos além da porta da cidade
para um lugar junto ao rio,
onde nos parecia haver oração.
Sentados, começamos a falar
com as mulheres que estavam aí reunidas.
14Uma delas chamava-se Lídia;
era comerciante de púrpura, da cidade de Tiatira.
Lídia acreditava em Deus e escutava com atenção.
O Senhor abriu o seu coração
para que aceitasse as palavras de Paulo.
15Após ter sido batizada, assim como toda a sua família,
ela convidou-nos:
‘Se vós me considerais uma fiel do Senhor,
permanecei em minha casa.’
E forçou-nos a aceitar.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 149, 1-2. 3-4. 5.6a.9b (R.4a)
R. O Senhor ama seu povo, de verdade.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

1Cantai ao Senhor Deus um canto novo, *
e o seu louvor na assembléia dos fiéis!
2Alegre-se Israel em Quem o fez, *
e Sião se rejubile no seu Rei!R.

3Com danças glorifiquem o seu nome, *
toquem harpa e tambor em sua honra!
4Porque, de fato, o Senhor ama seu povo *
e coroa com vitória os seus humildes.R.

5Exultem os fiéis por sua glória, *
e cantando se levantem de seus leitos,
6acom louvores do Senhor em sua boca *
9bEis a glória para todos os seus santos.R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 15,26 – 16,4a

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
26Quando vier o Defensor
que eu vos mandarei da parte do Pai,
o Espírito da Verdade, que procede do Pai,
ele dará testemunho de mim.
27E vós também dareis testemunho,
porque estais comigo desde o começo.
16,1Eu vos disse estas coisas
para que a vossa fé não seja abalada.
2Expulsar-vos-ão das sinagogas,
e virá a hora em que aquele que vos matar
julgará estar prestando culto a Deus.
3Agirão assim, porque não conheceram o Pai, nem a mim.
4aEu vos digo isto,
para que vos lembreis de que eu o disse,
quando chegar a hora.
Palavra da Salvação.

Comentário Monsenhor Paulo Daher

Em Atos 16, 1-15, os apóstolos viajaram para a Macedônia e no sábado foram para perto rio onde ncontraram senhoras que estavam em oração. Uma delas, Lídia acreditava em Deus e aceitou as palavras de Paulo. Ela e sua família foram batizados. E acolheu os apóstolos.

Os apóstolos aproveitavam de todos os meios e lugares para falar de Jesus.

Como viram estas senhoras no trabalho e orando, conversaram com elas e falaram sobre Cristo. Começaram ali mesmo uma pequena comunidade com a família de Lídia.

Desde que os missionários se espalharam pelos continentes antigos e novos, o sistema era quase igual. Aqui no sul nos limites com o Paraguai, contam que os jesuítas subiam rio acima em barca para encontrarem indígenas. E cantavam  as melodias sacras que conheciam. Apareciam índios que acompanhavam pelas margens as barcas, atentos aos cantos. Quando os jesuítas aproximavam-se das margens para falar com eles, sumiam. Então perceberam que gostavam dos cantos.

Assim foram cantando o tempo todo, mesmo quando se aproximavam das margens e assim os índios ficavam para ouvir os cantos.

Foi o início das Reduções do Paraguai, missões que muito floresceram.

Conta-se também que muitas missões começaram ao atrair as crianças, dando       atenção a elas, com presentes e outros agrados.

Uma criança na África gostava de caçar e ia mata adentro. Um dia viu um grupo de crianças que cantavam junto a um senhor vestido de roupa preta. Quando alguém se aproximava, ele fugia. Mas voltou várias vezes até que arriscou e foi até a aldeia. Ali conheceu um padre missionário e começou a frequentar a catequese. O chefe religioso daquele comunidade africana andou sondando e proibiu o menino de frequentar a comunidade católica. Mas ele perseverou e trouxe muita ajuda para sua família e pessoas da região.

Foi batizado, estudou, entrou no seminário, ordenou-se padre, depois foi eleito bispo e foi o 1º. Cardeal da África: Rugamwba.

Em muitos lugares do mundo o início de missões quase sempre começa pelas crianças. É quase uma estrela que Deus envia para iniciar vida nova também para os adultos. E sabemos que o mesmo acontece nas paróquias. Quantos padres que conseguiram formar novas comunidades por meio de atenção a este pequenos a quem quase por direito pertence o reino de Deus, como disse Jesus.(Lc 18,16)

Em João 15,26-16, 4a, Jesus promete enviar  o  Defensor, o Espírito da Verdade, “que dará testemunho de mim. Vocês também darão testemunho de mim. Estou prevenindo a todos.  Vocês serão perseguidos. Estou dizendo agora para que se lembrem de que eu disse, quando chegar a hora.”

A expressão dar testemunho de, tem vários significados. Entre nós, humanos, atestar que é verdadeiro o que se afirma. Confirmar, apoiar o que se diz e faz.

Jesus apresenta vários nomes do Espírito Santo. Defensor, no sentido comum, seria o que protege, assume pelo outro, está unido ao outro, fala em nome do outro.

Cristo não precisava que alguém garantisse como verdade as suas afirmações.

Mas sua união com o Pai e com o Espírito Santo é difícil de entender porque é essencial. Embora sejam Três Pessoas distintas que vivem unidas em tudo profundamente, por causa de nossa fraca inteligência, atribuímos a cada Pessoa uma ação determinada:  ao Pai a criação deste universo, ao Filho a Salvação de todas as pessoas, ao Espírito Santo a transformação interior de cada pessoa elevada ao máximo grau de união com a divindade, que chamamos de santificação.

Por si  só, tudo o que Jesus afirma para nós, é o mesmo que o Pai e o Espírito

Santo afirmam, desejam e realizam.

Por isso ainda Jesus se vale da palavra Verdade  e o chama Espírito da Verdade. É o mesmo que dissemos, nada é diferente do que pensam, desejam, falam ou realizam.

Estamos assim diante de um mistério de Amor pela união das Três Pessoas Divinas, que se debruçam sobre nós, cumulando-nos de muita luz, de um amor infinito, de um desejo imenso de nos fazer semelhantes a Eles.

Se procurarmos aprofundar-nos neste mistério que une Jesus a seu Espírito de Verdade, que vem em nosso auxílio, entenderemos melhor este amor divino que quer tomar conta de nossa vida.

Como acontece com o amor humano: o bem querer de um a outro, na sinceridade e na verdade transforma de tal forma as duas pessoas que tudo o que uma deseja ou realiza, é na mesma direção, e sempre pensando no bem do outro. Quase que se identificam. Como alguns irmãos gêmeos que intimamente estão ligados entre si que tudo o que um sente, pensa, deseja se torna também o sentimento, o pensamento e o desejo do outro.

E Jesus nos coloca no mesmo nível de seu Espírito, prevenindo-nos sobre o sofrimento que encontraremos sempre diante de quem não entende nossa união profunda com Ele, de tal sorte que sejamos capazes até de dar nossa vida por ele.