Liturgia diária › 27/11/2021

Ano B (Ímpar) – Sábado da 34ª Semana do TC – Lc 21,34-36

Leitura da Profecia de Daniel 7,15-27

15Fiquei chocado em meu íntimo:
eu, Daniel, fiquei aterrorizado com estas coisas,
e as visões da imaginação me deixaram perturbado.
16Aproximei-me de um dos presentes
e pedi-lhe que me desse explicações
sobre o significado de tudo aquilo.
Respondeu-me,
fazendo-me conhecer a interpretação das coisas:
17Estes quatro possantes animais são quatro reinos
que surgirão na terra;
18mas os que receberão o reino,
são os santos do Altíssimo;
eles ficarão de posse do reino
por todos os séculos, eternamente.`
19Depois, quis ser mais bem informado
a respeito do quarto animal,
que era bastante diferente dos outros
e o mais terrível de todos,
com seus dentes de ferro e garras de bronze,
sempre devorando e triturando,
e calcando aos pés o que restava;
20e ainda a respeito dos dez chifres
que tinha na cabeça,
e sobre o outro que nascera
e fizera cair outros três,
sobre o chifre que tinha olhos e boca,
e que fazia ouvir uma fala forte,
e era maior que os outros.
21Eu continuava a olhar,
e eis que este chifre combatia contra os santo e vencia,
22até que veio o Ancião de muitos dias
e fez justiça aos santos do Altíssimo,
e chegou o tempo
para os santos entrarem na posse do reino.
23Respondeu-me assim:
‘O quarto animal
é um quarto reino que surgirá na terra,
e que será maior do que todos os outros reinos;
há de devorar a terra inteira,
espezinhá-la e esmagá-la.
24Quanto aos dez chifres do reino,
serão dez reis;
um outro surgirá depois deles,
e este será mais poderoso do que seus antecessores,
e abaterá os três reis,
25e articulará insolências contra o Altíssimo
e perseguirá seus santos
e se julgará em condições de mudar os tempos e a lei;
os santos serão entregues ao seu arbítrio por um tempo,
por tempos e por um meio-tempo;
26o tribunal se estabelecerá,
e ao chifre será tirado o poder,
até ser destruído e desaparecer para sempre;
27e então, que seja dado o reino,
o poder e a grandeza dos reinos
que existem sob o céu
ao povo dos santos do Altíssimo,
cujo reino é um reino eterno,
e a quem todos os reis servirão
e prestarão obediência.’
Palavra do Senhor.

Salmo – Dn 3,82. 83. 84. 85. 86. 87 (R. 59b)

R. Louvai-o e exaltai-o, pelos séculos sem fim!

82Filhos dos homens, bendizei o Senhor!R.

83Filhos de Israel, bendizei o Senhor!R.

84Sacerdotes do Senhor, bendizei o Senhor!R.

85Servos do Senhor, bendizei o Senhor!R.

86almas dos justos, bendizei o Senhor!R.

87Santos e humildes, bendizei o Senhor!R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 21,34-36

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
34Tomai cuidado para que vossos corações
não fiquem insensíveis por causa da gula,
da embriaguez e das preocupações da vida,
e esse dia não caia de repente sobre vós;
35pois esse dia cairá como uma armadilha
sobre todos os habitantes de toda a terra.
36Portanto, ficai atentos e orai a todo momento,
a fim de terdes força
para escapar de tudo o que deve acontecer
e para ficardes em pé diante do Filho do Homem.’
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

Em Daniel, 7, 15-27, Daniel ainda na visão: quatro animais seriam quatro reis… Sobre o quarto animal terrível que vencia os outros reis. Apareceu o velhinho que defendeu os santos e realizaria o reino. Os dez chifres seriam os dez reis. Os santos serão perseguidos. Mas dominará o Senhor Altíssimo a quem todos enfim irão servir.
Aproveitando o mesmo pensamento anterior olhemos para Cristo, como o velhinho que defendeu os santos.
Estamos chegando ao final do ano litúrgico, e as leituras sempre apresentam a oportunidade de fazermos também nós uma avaliação de nossa vida religiosa.
Como a história nos apresenta sempre muitas lições sobre a vida humana, analisamos esses tempos antigos em que tanto havia pessoas que viviam bem com suas famílias ou governadores que sabiam conduzir seus povos, como infelizmente encontramos também aqueles que não sabiam conviver como gente ou humilhavam seus súditos.
Nossa Igreja tem uma experiência própria, além de toda a História da Salvação anterior a Jesus. O que chamamos de Tradição da Igreja Católica são a transmissão das mesmas verdades de nossa fé vivida por tantas pessoas e povos que seguiram o Cristo. Mas temos também milhões de pessoas de todas as raças e línguas que são exemplo de fidelidade a Deus e de amor às pessoas.
Perto de nós acontece o mesmo com as pessoas de fé e com nossos pastores que nos ajudam a vivermos alegres no seguimento do Cristo nosso Salvador
Vivamos então desde já o espírito do tempo do Advento em que
devemos preparar-nos para realizar o Natal de Cristo, não só em seu aniversário de nascimento mas também num renascer de sua presença em nossas vidas.
A novena de Natal dá-nos ocasião de juntos com mais pessoas ou com toda a comunidade envolver-nos espiritualmente nesta graça da presença e do amor de Cristo.

Em Lucas, 21, 34-36, Jesus perguntou aos apóstolos: quando eu enviei vocês sem bolsa, nem sacola, nem sandálias, faltou alguma coisa para vocês? Responderam: Nada ! E Jesus: agora, porém, quem tiver bolsa deve pegá-la como também uma sacola. Quem não tiver espada compre uma. Eu lhes digo: é preciso que se cumpra em mim a palavra da escritura: ele foi incluído entre os fora-da-lei. E o que foi dito a meu respeito, vai realizar-se.
Mais uma vez esta leitura nos coloca em tempos finais seja de nossa vida, seja do fim do mundo. O que aparece aqui são imagens do que cada um deve ser e fazer: estar preparados para enfrentar o que aparecer. Seja para afastar o mal. Seja para realizar o bem.
Em nossa vida apostólica não basta querer fazer alguma ação boa a alguém e nem mesmo começar a trabalhar pelo bem espiritual das pessoas. Temos de nos preparar para esta tarefa. E orar muito!
Quando formos convidados para ir ao encontro das pessoas para evangelizar ou para participar de momentos de evangelização ou reflexão sobre a Palavra de Deus e a vida cristã, não basta aceitar e ir ao trabalho.
Às vezes eu ouço algumas pessoas dizerem: se Deus me chamar eu vou com cara e coragem porque a quem Deus chama ele também o capacita. Não é bem assim. Não devemos tentar a Deus. Temos de nos preparar bem para ajudar as pessoas a se encontrarem com Cristo.
Lembro em tempos passados quando o comunismo era moda entre os jovens, que uma jovem da ação católica zelosa entrou na célula comunista para tentar ajudar os jovens a não seguir esta ideologia social sem Deus, sem religião. Participou durante certo tempo tentando ajudar os jovens a entenderem o mal que faziam a si mesmos e aos outros. Não conseguia. No fim ela mesma se tornou líder comunista também. Não se preparou nem se orientou de verdade para este trabalho difícil.
Vamos como os pastores e os santos reis caminhando até Belém Lá veremos uma Criança que sorrindo nos espera de braços abertos.