Liturgia diária › 24/11/2021

Ano B (Ímpar) – 4ª-feira da 34ª Semana do TC – Lc 21,12-19

Leitura da Profecia de Daniel 5,1-6.13-14.16-17.23-28

Naqueles dias:
O rei Baltasar ofereceu um grande banquete
aos mil dignitários de sua corte,
tomando vinho em companhia deles.
2Já embriagado,
Baltasar mandou trazer os vasos de ouro e prata,
que seu pai Nabucodonosor
tinha tirado do templo de Jerusalém,
para beberem deles o rei e os grandes do reino,
suas mulheres e concubinas.
3Foram, pois, trazidos os vasos de ouro e prata,
retirados do templo de Jerusalém,
e deles se serviram o rei e os grandes do reino,
suas mulheres e concubinas;
4bebiam vinho
e engrandeciam seus deuses de ouro e prata,
de bronze e ferro, de madeira e pedra.
5Naquele mesmo instante,
apareceram dedos de mão humana
que iam escrevendo, diante do candelabro,
sobre a superfície da parede do palácio,
e o rei via os dedos da mão que escrevia.
6Alterou-se o semblante do rei,
confundiram-se suas idéias
e ele sentiu vacilarem os ossos dos quadris
e tremerem os joelhos.
13Então Daniel foi introduzido à presença do rei,
e este lhe disse:
‘És tu Daniel, um dos cativos de Judá,
trazidos de Judá pelo rei, meu pai?
14Ouvi dizer que possuis o espírito dos deuses,
e que em ti se acham ciência,
entendimento e sabedoria em grau superior.
16Ora, ouvi dizer também
que sabes decifrar coisas obscuras
e deslindar assuntos complicados;
se, portanto, conseguires ler o escrito
e dar-me sua interpretação,
tu te vestirás de púrpura,
e levarás ao pescoço um colar de ouro,
e serás o terceiro homem do reino.’
17Em resposta, disse Daniel perante o rei:
‘Fiquem contigo teus presentes
e presenteia um outro com tuas honrarias;
contudo, vou ler, ó rei, o escrito
e fazer-te a interpretação.
23Tu te levantaste contra o Senhor do céu;
os vasos de sua casa foram trazidos à tua presença
e deles bebestes vinho, tu e os grandes do reino,
suas mulheres e concubinas;
ao mesmo tempo, celebravas os deuses de prata e ouro,
de bronze e ferro, de madeira e pedra,
deuses que não vêem nem ouvem, e nada entendem,
– e ao Deus, que tem em suas mãos
tua vida e teu destino,
não soubeste glorificar.
24Por isso, foram mandados por ele os dedos da mão,
que fez este escrito.
25Assim se lê o escrito que foi traçado:
mâne, técel, pársin.
26E esta é a explicação das palavras:
mâne: Deus contou os dias de teu reinado
e deu-o por concluído;
27técel: foste pesado na balança,
e achado com menos peso;
28pársin: teu reino foi dividido
e entregue aos medos e persas.’
Palavra do Senhor.

Salmo – Dn 3,62. 63. 64. 65. 66. 67 (R. 59b)

R. Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

62Lua e sol, bendizei o Senhor!R.

63Astros e estrelas, bendizei o Senhor!R.

64Chuvas e orvalhos bendizei o Senhor!R.

65Brisas e ventos, bendizei o Senhor!R.

66Fogo e calor, bendizei o Senhor!R.

67Frio e ardor, bendizei o Senhor!R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 21,12-19

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
12Antes que estas coisas aconteçam,
sereis presos e perseguidos;
sereis entregues às sinagogas e postos na prisão;
sereis levados diante de reis e governadores
por causa do meu nome.
13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé.
14Fazei o firme propósito
de não planejar com antecedência a própria defesa;
15porque eu vos darei palavras tão acertadas,
que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater.
16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais,
irmãos, parentes e amigos.
E eles matarão alguns de vós.
17Todos vos odiarão por causa do meu nome.
18Mas vós não perdereis
um só fio de cabelo da vossa cabeça.
19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

Em Daniel 5, 1-6.13-14.16-17.23-28, O rei Baltazar deu um grande banquete. Mandou que trouxessem todos os vasos sagrados que seu pai Nabucodonosor havia sequestrado do templo de Jerusalém. Todos da corte (os grandes, as mulheres, as concubinas etc.) beberam vinho nos vasos sagrados louvando seus deuses. De repente dedos de mão humana estavam escrevendo na parede da sala real. Todos tremeram de medo… Chamaram Daniel, que já havia antes explicado ao rei Nabucodonosor o seu sonho. O rei disse que havia chamado os magos e sábios da corte e ninguém soube explicar o sonho. Daria um bom dinheiro se ele decifrasse agora estes dizeres da parede… Daniel reprovou o sacrilégio do rei que usou os vasos sagrados do templo de Jerusalém para suas orgias. Venho do Deus dos judeus a mensagem escrita: Mené, Tequel, Parsin, que quer dizer: Mené, teu reino chegou ao fim, Tequel, você foi pesado na balança e está com peso fraco. Parsin: teu reino vai ser dividido e será entregue aos Medos e aos Persas. Daniel então recebeu honrarias pela interpretação. E naquela mesma noite o rei foi morto e seu reino foi dado ao rei medo Dario.
Deus não costuma dar logo resposta a quem não o respeita e maltrata seus filhos. Em alguns momentos da história como este fato de hoje, Deus se manifesta com seu poder. A leitura é clara. Além de terem saqueado e destruído Jerusalém e o Templo Santo, enfrentaram a paciência de Deus profanando objetos sagrados em suas orgias.
Deus é um Deus paciente. Conduz com sabedoria e amor a nossa vida. Veio e vem até nós para nos aconselhar e indicar os melhores caminhos para conquistarmos nossa felicidade. Em geral não dá sua resposta imediata quando lhe desobedecemos. É a própria vida que dá a resposta. Seja em nossa vida pessoal, quando seguindo nossos gostos deixamos de lado suas orientações pelos mandamentos. Quantas doenças a vida de hoje nos mostra como fruto de mau uso de nosso corpo e espírito.
Como na vida natural tudo o que despreza as leis que a regem tem a resposta devida. Até a própria natureza está reagindo às nossas agressões na corrida para nos enriquecermos deixando de lado o respeito pelo bem das pessoas e da própria terra.
Se o que Deus pede de nós deixamos de lado, no campo da vida humana comum sofreremos as consequências. Em nossa vida espiritual religiosa também. Há pessoas que sofrem de desânimo ou depressão por não buscarem a calma de espírito e a segurança que nossa fé em Deus é capaz de dar-nos.
Há pessoas simples e de todo o nível melhor cuja tranquilidade de espírito é fruto de sua caminhada na fé no seguimento de nossa religião.
O que sofremos com não seguir o que o Senhor pede de nós não deve ser a razão para amarmos ou não Deus. Sigamos o que conhecemos da vida: que com s. Francisco eu procure mais amar que ser amado.

Em Lucas, 21, 12-19, Jesus diz: vocês vão ser presos e serão condenados por causa de meu nome. Não é preciso que se defendam. Eu lhes darei sabedoria para responder a tudo. Vocês vão ser traídos até por seus pais e parentes. Serão odiados por causa de meu nome. Mas nenhum cabelo de suas cabeças se perderá. É pela perseverança que vocês hão de superar tudo.
Na vida é melhor prevenir que remediar. Em muitos momentos da História da Salvação, Deus, além de indicar os caminhos da felicidade pelos mandamentos, apresenta também conselhos práticos.
E não nos engana em relação à escolha de uma vida religiosa sincera e crescente. Pede esforço nosso, sacrifícios, perseverança, paciência e fortaleza para enfrentar os que não nos aceitam. É como os profetas diziam: os justos são perseguidos porque incomodam os que não querem seguir as leis de Deus.
Quando Deus nos previne sobre o futuro, como neste trecho, não é para meter medo ou apavorar-nos até desanimar. Deus nunca se engana nem quer enganar-nos. A vida é assim. Se não formos previdentes e não analisarmos o que temos a fazer, o que vamos encontrar e como criar meios para realizar, podemos errar muito.
O melhor de tudo é que embora capacitados de tantas qualidades, podemos nos influenciar com fatos, palavras ou pessoas negativas que nos impedem de caminhar para a frente. E a certeza de que temos um Pai que nos acompanha cuidadoso, ajuda-nos a continuar nossa luta pelo bem maior nosso e de todos.