Liturgia diária › 26/10/2021

Ano B (Ímpar) – 3ª-feira da 30ª Semana do TC – Lc 13,18-21

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 8,18-25

Irmãos:
18Eu entendo que os sofrimentos do tempo presente
nem merecem ser comparados com a glória
que deve ser revelada em nós.
19De fato, toda a criação está esperando ansiosamente
o momento de se revelarem os filhos de Deus.
20Pois a criação ficou sujeita à vaidade,
não por sua livre vontade,
mas por sua dependência daquele que a sujeitou;
21também ela espera ser libertada da escravidão da corrupção
e, assim, participar da liberdade
e da glória dos filhos de Deus.
22Com efeito, sabemos que toda a criação, até ao tempo presente,
está gemendo como que em dores de parto.
23E não somente ela, mas nós também,
que temos os primeiros frutos do Espírito,
estamos interiormente gemendo,
aguardando a adoção filial e a libertação para o nosso corpo.
24Pois já fomos salvos, mas na esperança.
Ora, o objeto da esperança
não é aquilo que a gente está vendo;
como pode alguém esperar o que já vê?
25Mas se esperamos o que não vemos,
é porque o estamos aguardando mediante a perseverança.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 125 (126),1-2ab.2cd-3. 4-5. 6 (R. 3a)

R. Maravilhas fez conosco o Senhor,!

1Quando o Senhor reconduziu nossos cativos,*
parecíamos sonhar;
2aencheu-se de sorriso nossa boca,*
2bnossos lábios, de canções.R.

2cEntre os gentios se dizia: ‘Maravilhas*
2dfez com eles o Senhor!’
3Sim, maravilhas fez conosco o Senhor,*
exultemos de alegria!R.

4Mudai a nossa sorte, ó Senhor,*
como torrentes no deserto.
5Os que lançam as sementes entre lágrimas,*
ceifarão com alegria.R.

6Chorando de tristeza sairão,*
espalhando suas sementes;
cantando de alegria voltarão,*
carregando os seus feixes!R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 13,18-21
Naquele tempo:
18Jesus dizia:
‘A que é semelhante o Reino de Deus,
e com que poderei compará-lo?
19Ele é como a semente de mostarda,
que um homem pega e atira no seu jardim.
A semente cresce, torna-se uma grande árvore,
e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos.’
20Jesus disse ainda:
‘Com que poderei ainda comparar o Reino de Deus?
21Ele é como o fermento que uma mulher pega
e mistura com três porções de farinha,
até que tudo fique fermentado.’
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

Na carta aos Romanos, 8, 18-25, continua seu pensamento: os sofrimentos que nesta vida temos, são nada diante do que nos espera na vida eterna.  Este mundo com todas as suas criaturas esperam da parte dos filhos de Deus que as usem com liberdade para o bem de todos. E nós diante do Espírito Santo que recebemos  também esperamos realizar em nossa vida as promessas do Senhor para uma vida melhor.

Caminhando na vida, ao usar nossas capacidades temos de conquistar passo a passo o que queremos realizar. Estes dons não são estáticos, parados ou com força mágica.  Tudo precisa de um passo depois outro e mais outro.  E isso é trabalho, cansa, causa à vezes sofrimento. Mas sempre nos dá logo um prazer quando alcançamos o que estávamos buscando. O exercício físico para poder competir é aceito porque assim estamos preparados para realizar o que gostamos.  Uma cirurgia necessária e sua preparação é algo que nos faz sofrer, mas depois nos cura da doença.

A vida religiosa apresenta o mesmo esforço para que eu me sinta amado por Deus. E o resultado é muito melhor pois me traz bens mais duradouros.

O exemplo dos apóstolos nos coloca diante de pessoas simples, a maioria acostumada com a rudeza da vida de pescadores, com a alegria de suas pescas e sustento de suas famílias. E a eles foi pedido deixar esta vida para seguir a Jesus, mal sabendo o que teriam de fazer e como iriam viver. Mas Cristo era tão determinado e seguro que eles não pensaram duas vezes e foram viver a vida de Cristo e com Ele.

Porque disseram sim, receberam força espiritual capaz de ajudá-los não só na alegria em sua vida pessoal, mas também se dispuseram a trabalhar para o bem de outras pessoas, num campo completamente diferente de suas primeiras profissões. Deram conta e se sentiram muitíssimo feliz.

No evangelho de Lucas, 13, 18-21, Jesus compara o reino de Deus ao pequeno grão de mostarda, que semeado cresce e se torna uma árvore que abriga as aves e  dá frutos. Comparou também o reino ao fermento que se usa na farinha para fazer crescer o pão.

Esta palavra é boa principalmente para nosso tempo, porque pelo progresso das ciências e o avanço da tecnologia, nós estamos dando  mais valor ao que aparece e ao que é grande. O que não chama muito  à atenção nos passa despercebido.

Ao mesmo tempo a ciência nos tem mostrado a riqueza do íntimo dos seres ao que chamamos de microcosmo. A pequena semente de mostarda, aparentemente parece ter muito pouco dentro dela. No entanto sua força vital que Deus dá aos seres vivos, é invisível até a instrumentos de alta capacidade. E ela cresce, se torna planta, e depois árvore que dá seus frutos. Assim a pequena porção de fermento cuja força envolve a farinha e a faz crescer bastante.

Isto acontece também na vida humana: uma palavra amiga, um gesto de atenção, um sorriso de satisfação, um aperto de mão sincero, um abraço cordial, são capazes de tocar o coração das pessoas. Uma pequena pílula tem o potencial de transformar a doença em saúde.

Na vida religiosa os gestos nos sacramentos: o sinal da cruz, a unção com óleo sagrado, a vela acesa significando a fé, a simples palavras do padre no batismo derramando água na cabeça da criança, na confissão, na consagração da hóstia na missa. A consagração com a unção das mãos do diácono que o torna padre para sempre.

Senhor eu creio, mas aumenta a minha fé. Ajuda-me a ver teu rosto feliz, o gozo de teu coração quando estás conosco e deixamos que possas agir em nós.

Acredito que rezar uma Ave Maria com fé traz o céu até mim. Orar o Pai nosso me faça sentir o Senhor bem perto de mim com toda a tua misericórdia de Pai.