Liturgia diária › 19/10/2021

Ano B (Ímpar) – 3ª-feira da 29ª Semana do TC – Lc 12,35-38

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 5,12.15b.17-19.20b-21

Irmãos:
12O pecado entrou no mundo por um só homem.
Através do pecado, entrou a morte.
E a morte passou para todos os homens,
porque todos pecaram.
15bA transgressão de um só levou a multidão humana à morte,
mas foi de modo bem mais superior que a graça de Deus,
ou seja, o dom gratuito
concedido através de um só homem, Jesus Cristo,
se derramou em abundância sobre todos.
17Por um só homem, pela falta de um só homem,
a morte começou a reinar.
Muito mais reinarão na vida,
pela mediação de um só, Jesus Cristo,
os que recebem o dom gratuito e superabundante da justiça.
18Como a falta de um só acarretou condenação
para todos os homens,
assim o ato de justiça de um só trouxe,
para todos os homens,
a justificação que dá a vida.
19Com efeito, como pela desobediência de um só homem
a humanidade toda foi estabelecida numa situação de pecado,
assim também, pela obediência de um só,
toda a humanidade passará para uma situação de justiça.
20bPorém, onde se multiplicou o pecado,
aí superabundou a graça.
21Enfim, como o pecado tem reinado pela morte,
que a graça reine pela justiça,
para a vida eterna, por Jesus Cristo, Senhor nosso.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 39,7-8a. 8b-9. 10. 17 (R. Cf 8a.9a)

R. Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

7Sacrifício e oblação não quisestes,*
mas abristes, Senhor, meus ouvidos;
não pedistes ofertas nem vítimas,+
holocaustos por nossos pecados,*
8aE entóo eu vos disse: ‘Eis que venho!’R.

8bSobre mim está escrito no livro:
9‘Com prazer faço a vossa vontade,*
guardo em meu coração vossa lei!’R.

10Boas-novas de vossa justiça
anunciei numa grande assembléia;*
vós sabeis: não fechei os meus lábios!R.

17Mas se alegre e em vós rejubile*
todo ser que vos busca, Senhor!
Digam sempre: ‘É grande o Senhor!’*
os que buscam em vós seu auxílio.R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 12,35-38

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
35Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas.
36Sede como homens que estão esperando
seu senhor voltar de uma festa de casamento,
para lhe abrir em, imediatamente, a porta,
logo que ele chegar e bater.
37Felizes os empregados que o senhor
encontrar acordados quando chegar.
Em verdade eu vos digo:
Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa
e, passando, os servirá.
38E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada,
felizes serão, se assim os encontrar!
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

Na carta aos Romanos, 5,12.15b.17-19.20b-21, o apóstolo lembra que assim como por um só homem entrou o pecado na vida humana, assim somente por Cristo fomos restaurados e recebemos de novo a filiação divina. Onde o pecado arrastou a todos, a graça de Cristo nos reconduz para a vida eterna.
Penso no valor da transfusão do sangue a quem precisa totalmente dele para sobreviver. Jesus também pelo batismo e durante toda a nossa vida, quando perdemos o sangue do bem, da graça da união com Deus, a transfusão de seu sangue redentor, com seu imenso amor por nós, traz-nos de novo à verdadeira vida mais fortalecidos.
O pecado original tirou a vida divina de nossos primeiros pais e transmitiu para todas as pessoas esta condição de perda. Muito mais forte do que as qualidades e falhas que herdamos dos parentes que nos precederam. É um mistério esta herança “maldita”!
Pode até parecer injustiça. Que tenho eu com o erro dos que me precederam?
É que aparecemos neste mundo como fruto do amor dos esposos. E o amor é uma riqueza e preciosidade, capaz de “impor” a Deus que crie este novo ser, fruto do amor de seus pais! O pecado é não querer ser amado por Deus! Faz-nos senhores e donos de nossas capacidades: afeta a cada um e a todos com quem convivemos.
Em Lucas 12, 35-38, Jesus pede-nos estarmos atentos diante do Senhor em nossa vida de cada dia. Compara esta vigilância à espera, como era costume na festa de casamento, com as lamparinas acesas, esperando o noivo para o cortejo. A espera será recompensada por poder participar da festa.
Houve tempos em nossa religião em que pessoas insistiam mais nesta vigilância, nessa preocupação com o julgamento de Deus. Hoje ainda há pessoas assim.
Isso faz parte da orientação religiosa de nossas vidas, sim. E por isso também algumas vezes o próprio Cristo chamou-nos à atenção sobre estes pontos.
Pai, mãe ou educadores que insistem com crianças e adolescentes mais sobre: isto é pecado, isto não se faz, pois Deus castiga, e não se sentam para explicar a verdadeira razão de procurar viver no caminho certo, criam consciência escrupulosa que vive sempre com medo dos castigos de Deus por causa de nossos pecados.
Estar vigilantes, estar atentos ajuda-nos a não nos deixar logo levar pela atração agradável que encontramos na vida. A lei de Deus, os mandamentos, os conselhos que recebemos de nossa vida religiosa, devem estar claros em nossa consciência, para ajudá-la a escolher sempre o bem, o certo, o que de fato ajuda-nos a desenvolver nossa caminhada para a felicidade maior e definitiva com Deus.
A razão maior de nosso viver é conhecer e amar a Deus mais que tudo e buscar em Cristo a força para perseverar neste propósito.
Porque acredito e sinto que Deus é meu Pai, que pensa em mim, está sempre presente em todos os momentos de minha vida para eu me sentir filho querido, porque eu O amo, é por isso que vou estar atento ao que penso, desejo e faço para que Ele veja que estou procurando sempre mostrar minha gratidão seguindo o que ele me indica como atitude de um filho que O ama.
Obedecer para não ser castigado ou para não perder os dons que Deus quer me dar é atitude egoísta, pois estou pensando mais em mim do que n´Ele que me ama muito.