Liturgia diária › 27/09/2021

Ano B (Ímpar) – 2ª-feira da 26ª Semana do TC – Lc 9,46-50

Leitura da Profecia de Zacarias 8,1-8

1A palavra do Senhor dos exércitos
foi manifestada nos seguintes termos:
2‘Isto diz o Senhor dos exércitos:
Tomei-me de forte ciúme por Sião,
consumo-me de zelo ciumento por ela.
3Isto diz o Senhor:
Voltei a Sião e habitarei no meio de Jerusalém;
Jerusalém será chamada Cidade Fiel,
e o monte do Senhor dos exércitos, Monte Santo.
4Isto diz o Senhor dos exércitos:
Velhos e velhas
ainda se sentarão nas praças de Jerusalém,
cada qual com seu bastão na mão,
devido à idade avançada;
5as praças da cidade
se encherão de meninos e meninas
a brincar em suas praças.
6Isto diz o Senhor dos exércitos:
Se tais cenas parecerem difíceis
aos olhos do resto do povo, naqueles dias,
acaso serão também difíceis aos meus olhos?
– diz o Senhor dos exércitos.
7Isto diz o Senhor dos exércitos:
Eis que eu vou salvar o meu povo da terra do oriente
e da terra do pôr-do-sol:
8eu os conduzirei,
e eles habitarão no meio de Jerusalém;
serão meu povo
e eu serei seu Deus,
em verdade e com justiça.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 101, 16-18. 19-21. 29.22-23 (R. 17)

R. O Senhor edificou Jerusalém,
e apareceu na sua glória!

16As nações respeitarão o vosso nome, *
e os reis de toda a terra, a vossa glória;
17quando o Senhor reconstruir Jerusalém *
e aparecer com gloriosa majestade,
18ele ouvirá a oração dos oprimidos *
e não desprezará a sua prece.R.

19Para as futuras gerações se escreva isto, *
e um povo novo a ser criado louve a Deus.
20Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, *
e o Senhor olhou a terra do alto céu,
21para os gemidos dos cativos escutar *
e da morte libertar os condenados.R.

29Assim também a geração dos vossos servos +
terá casa e viverá em segurança, *
e ante vós se firmará sua descendência.
22Para que cantem o seu nome em Sião *
e louve ao Senhor Jerusalém,
23quando os povos e as nações se reunirem *
e todos os impérios o servirem.R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 9,46-50
Naquele tempo:
46Houve entre os discípulos uma discussão,
para saber qual deles seria o maior.
47Jesus sabia o que estavam pensando.
Pegou então uma criança, colocou-a junto de si
48e disse-lhes:
‘Quem receber esta criança em meu nome,
estará recebendo a mim.
E quem me receber,
estará recebendo aquele que me enviou.
Pois aquele que entre todos vós for o menor,
esse é o maior.’
49João disse a Jesus:
‘Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome.
Mas nós o proibimos, porque não anda conosco.’
50Jesus disse-lhe:
‘Não o proibais, pois quem não está contra vós,
está a vosso favor.’
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

Em Zacarias, 8, 1-8, a comunidade que havia regressado do exílio, está empenhada na restauração de seu país e do local do culto. E Deus alimenta a esperança de dias melhores para todos. É seu desejo e sua palavra que pelo profeta vai animando as pessoas. Afirma então que estas pessoas serão o seu povo e Ele será o seu Deus fiel.
Em vários lugares do Antigo Testamento a situação do povo judeu, suas reações em relação ao que Deus lhe pedia, nem sempre eram boas. Principalmente os profetas chamavam à atenção do povo sobre suas atitudes que feriam a fidelidade que Deus esperava deles. Buscando nesta vivência religiosa do povo eleito antes de Cristo, quando nossa religião lembra esses fatos pede que à luz do que aconteceu aprendamos lições para nossa vida hoje.
Cristo continua a acompanhar a vida de sua Igreja em todos os tempos. Cabe a nós conhecendo este empenho de Jesus, dar nossa resposta. A situação é sempre a mesma: Deus nos chama, o mundo(tudo o que nos cerca!) também aponta caminhos. Só que a finalidade é diferente. Deus quer sempre o nosso bem real. Os outros atrativos em geral apresentam alegrias e prazeres que não nos trazem bens verdadeiros.
E em geral somos enganados pelos atrativos muito bem elaborados (pelos meios de comunicação, propaganda etc.) manifestando alegria, felicidade, que duram tão pouco e às vezes causam até problemas sérios e doenças.
E as propostas da religião, à primeira vista custam trabalho, e até sacrifícios, mas quando perseveramos temos as melhores respostas.
Em Lucas, 9, 46-50, depois da conversa entre os apóstolos sobre quem seria o maior entre eles, Jesus apresenta uma criança como merecedora da atenção e do carinho de todos. E acrescenta: aquele que no meio de vocês é o menor, este será grande. Em seguida os apóstolos contam a Jesus que haviam impedido uma pessoa que expulsava demônios em nome de Cristo. E Jesus responde: não façam isso. Pois quem não é contra vocês está com vocês.
Percebemos lendo os evangelhos que Jesus aproveitava todas as ocasiões para formar convicções nos apóstolos. E corrigia hábitos que com o tempo haviam adquirido.
Se na cabeça deles ainda pensassem num Messias rei e chefe de um país, logo estando convivendo com ele, surgiria a pergunta sobre quem haveria de ser o maior, o mais bem colocado no tal reino de Deus.
Jesus vai aos poucos formando seus seguidores no sentido de servirem os outros, Mesmo se alguém fosse distinguido, como foi Pedro, não seria para mandar mas para se dispor mais ainda a servir.
A figura da criança aí talvez lhes lembrasse que quando estivessem trabalhando no e pelo Reino de Deus, considerassem todas as pessoas necessitadas de sua atenção como as crianças.
O primeiro lugar, o poder, a perfeição, a santidade, o pecador, a pobreza, a riqueza, as muitas qualidades nada disso chama à atenção de Deus. A medida de Deus é se cada um tem amor, atenção, carinho às pessoas. Nem o agradam 100, nem o desagrada 50. Deus não avalia assim. Se nossa vontade deseja e se esforça para fazer a sua vontade, já basta. Aí não tem muito nem pouco. Está disposto e quer ? Está bem !