Fábula 21ª – As tres peneiras de Socrates

As três peneiras de Sócrates

Um homem foi ao encontro de Sócrates levando ao filósofo uma informação que julgava de seu interesse:
– Quero contar-te uma coisa a respeito de um amigo seu!
– Espere um momento – disse Sócrates. Antes de contar-me, quero saber se você passou essa informação pelas três peneiras.
– Três peneiras? Nunca ouvi falar sobre elas!
– Vamos então peneirar aquilo que você quer me dizer (disse Sócrates)
A primeira é a peneira da VERDADE.
– Você tem certeza de que isso que vai me dizer é a mais pura verdade?
– Bem, foi o que ouvi os outros contarem. Não sei exatamente se é verdade.
Continuou Sócrates:
– A segunda peneira é a da BONDADE. Com certeza, você deve ter passado a informação pela peneira da bondade. Ou não?
Envergonhado, o homem respondeu:
– Devo confessar que não.
A terceira peneira é a da NECESSIDADE.
– Você pensou bem se é necessário o que veio me falar a respeito do meu amigo?
– Necessidade? Na verdade, creio que não é.
Então, disse-lhe o sábio:
– Se o que você quer me contar não é verdadeiro, nem bom, nem necessário, então é melhor que guarde apenas para si.

MORAL DA HISTÓRIA:
“A bondade é o humano que toca o divino”
E como nos ensinou Paulo, em Efésio capítulo 4, versículo 29:
“Não saia dos vossos lábios nenhuma palavra inconveniente, mas na hora oportuna a que for boa para a edificação, que comunique graça aos que a ouvirem”.
Deus te abençoe!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.