Fábula 11º – O carvalho e o bambu

O carvalho e o bambu

Um robusto carvalho, dirigindo-se a um frágil bambu, disse:
– Veja como sou grande e forte! Você, ao contrário, é frágil e esguio. Por mais fraco que seja o vento, consegue empurrá-lo de um lado para o outro, levando-o até o chão. Quanto a mim, enfrento até a fúria da mais terrível tempestade. Não temo vento algum, que para você é sempre um vendaval. Se pelo menos você tivesse nascido sob minha folhagem, eu o protegeria contra qualquer tempestade ou perigo. Realmente, o destino foi bem cruel para com você.
Ouvindo essas palavras, respondeu o bambu:
– Amigo carvalho, peço que você não tenha compaixão de mim. Os ventos que sopram, me curvam, mas não me quebram. Vejo que você resiste aos tufões sem dobrar, porém, tudo vem a seu tempo.
Mal o bambu terminara a frase, veio um vendaval que o curvou até ao chão.
Quanto ao carvalho, foi sacudido pelo ímpeto do vento e, por ser muito duro, caiu por terra, deixando à mostra suas raízes.

MORAL DA HISTÓRIA:
Aquele que o amanhecer vê orgulhoso, o anoitecer vê prostrado”
E como nos ensina a Palavra de Deus no livro de Tiago, capítulo 4º, versículo 6º: “Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes”.
Deus te abençoe!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.