Vocacional

Vocacional

Site diocesano: Pastoral Vocacional

Em agosto, a Igreja no Brasil celebra o mês vocacional, que tem sua origem logo após o Concílio Vaticano II. Em 1970 surgia a primeira experiência do mês vocacional no Brasil. Esta iniciativa deu certo e, em 1981, a Assembleia Geral da CNBB instituiu o mês de agosto como mês vocacional para todo o Brasil. Isto significa que a Igreja está cumprindo a ordem de Jesus: rezar ao Senhor da Messe para que envie operários para a sua messe. (cf. MT. 9, 36 – 38).

O documento de Aparecida, nº 314, lembra: “É necessário intensificar de diversas maneiras a oração pelas vocações. As vocações são dom de Deus; portanto, em cada diocese, não devem faltar orações especiais ao ‘Dono da Messe’”. A vocação é um chamado, é um dom de Deus. Na raiz de cada vocação há sempre a iniciativa de Deus.

É o que Jesus fala aos apóstolos: “não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi” (Jo, 15, 16). Para se descobrir uma vocação é necessário que o(a) vocacionado(a) se coloque em sintonia com Deus, em oração; faça um discernimento vocacional com um diretor espiritual, participe de encontros de discernimento vocacional. A Pastoral Vocacional é a pastoral das pastorais.

Toda pastoral deve ser “vocacionalizada”, ou seja, todos os trabalhos na Igreja devem levar as pessoas a descobrir o ideal de sua vida, a sua missão de batizado, o seu lugar na Igreja. Os bispos em Aparecida, nº 314, quando se referem à formação dos discípulos e missionários de Cristo afirmam que “a Pastoral Vocacional ocupa lugar particular nesta formação e que acompanha cuidadosamente todos os que o Senhor chama a servir à Igreja no Sacerdócio, na vida consagrada ou no estado de leigo”.

O trabalho da Pastoral Vocacional não é apenas diocesano. Há nas paróquias as EVP’s (Equipes Vocacionais Paroquiais). São leigos, leigas, muitas vezes apoiados por religiosas, que rezam e levam a sua comunidade a rezar pelas vocações. Também fazem promoções, rifas, almoços, entre outras coisas, para ajudar financeiramente o Seminário Diocesano Nossa Senhora do Amor Divino ou algum vocacionado.

Nas celebrações do Seminário, no churrasco, festa junina, nas ordenações, há sempre a presença marcante dos leigos que trabalham pelas vocações, como as EVP’s e o Serra Clube. Atualmente, na Diocese, temos Encontros Vocacionais que são realizados no Seminário Diocesano, todos os últimos finais de semana de cada mês, exceto nos meses de férias escolares. São oito encontros. Começam aos sábados, às 14h, e terminam domingo, às 16h. São destinados aos rapazes que estejam cursando do nono ano para cima.

Há também tardes vocacionais nas paróquias, para moças e rapazes. Nos decanatos, são realizados encontros mistos, denominados “Vinde e vede”. Nesses encontros, os jovens refletem sobre o ideal, o sentido da vida, as diversas vocações, variados temas sobre a vida cristã e eclesial, etc. Durante o encontro há uma entrevista, num acompanhamento e orientação vocacional com o Reitor do Seminário e com o padre responsável pela pastoral vocacional. Podem participar os jovens que sentem o desejo de uma consagração a Deus e à Igreja ou que desejam fazer um discernimento vocacional.

Antes de iniciar os encontros, o (a) vocacionado(a) deve conversar com o padre de sua paróquia e ele vai apresentar o(a) vocacionado(a) ao seminário, a uma casa religiosa, ou a uma comunidade de leigos consagrados. Todo jovem deve perguntar a Deus: “Senhor que queres que eu faça?”. Pois fomos criados para ser “algo” nesse mundo. Deus tem um plano para cada um. O jovem não pode ter medo de encarar o chamado de Deus. Fomos criados para a verdadeira felicidade.

E, vocação acertada, futuro feliz! Para descobrir a vocação a que foi chamado, deve se colocar em oração, buscar uma orientação vocacional, direção espiritual, participar de encontros, nunca deixar se levar pelo medo de seguir uma voca- ção. Deus não abandona aqueles que Ele chama. Dará sempre a Graça para respondermos ao chamado. Vale a pena dar a vida Àquele que primeiro deu Sua vida por nós, Cristo Jesus.

Monsenhor José Maria Pereira – Coordenador Diocesano da Pastoral Vocacional

Texto publicado na edição de agosto/2014 do Jornal Diocesano Voz da Igreja