Presbiteral

Presbiteral

“Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos estabeleceu como guardiões, com pastores” (At 20,28) Existem tantas pastorais em nossa Igreja para atender as diversas necessidades dos fiéis, e não poderia deixar de existir também uma que cuide dos padres, que antes de serem pastores são fiéis pelo Batismo. Assim, surgiu também a Pastoral Presbiteral.

A Pastoral Presbiteral foi bem definida pelo Pe. Guido Villalta como: “cuidado-acompanhamento, pessoal e comunitário, integral e orgânico que uma Igreja Particular oferece aos seus pastores, para que estes se sintam tratados e vivam como pessoas, conheçam Jesus Cristo, sejam como Ele, vivam e ajam como Ele, de modo que possam dedicar-se plenamente ao ministério de Pastores que Deus e a Igreja lhes confiaram em prol da comunidade.” (VILLALTA, G., La Pastoral Sacerdotal en América Latina y el Caribe, Boletim Celam 282 (1999), 34).

Esta Pastoral tem por objetivo proporcionar a todos os presbíteros condições para a sua própria realização humana e vocacional, ajudando-os na missão de configurar-se ao Cristo Bom Pastor no meio de um povo concreto, garantindo sua saúde física, psíquica e afetiva, proporcionando meios para a formação em suas dimensões comunitária, humano afetiva, espiritual, intelectual e pastoral.

Além do justo descanso e lazer. Procura acompanhar, de modo especial, os presbíteros novos, enfermos e idosos, bem como aqueles que enfrentam algum tipo de problema. Incentiva a fraternidade presbiteral e os grupos de espiritualidade. Em nossa Diocese, o trabalho é relativamente novo.

Começou em 2011, com Pe. Luiz Henrique como primeiro coordenador. Neste tempo, organizamos confraternizações e encontros de espiritualidade e convivência para padres, divididos em faixas etárias. Hoje, Pe. Fabiano é o coordenador diocesano e representante na CNP (Comissão Nacional de Presbíteros).

E temos um representante de cada decanato: Pe Luis Claudio, Pe. Carlos Caridade e Pe. Luis Carlos. Mas para que a Pastoral Presbiteral faça um bom trabalho, é necessário que todos os padres se sintam não só objeto, mas também agentes desta pastoral.

Padre Fabiano Motta Coordenador Diocesano da Pastoral Presbiteral

Texto publicado na edição de junho/2015 do Jornal Diocesano Voz da Igreja