Dízimo

Dízimo

Mais ou menos há um ano, Dom Gregório Paixão e Padre Ernande Nascimento me pediram para coordenar a Pastoral do Dízimo em nível diocesano. Não que eu seja um doutor em dízimo, mas talvez por conta da experiência que tivemos quando estava em São José do Vale do Rio Preto e também em Piabetá.

A Pastoral do Dízimo em nossa Diocese ainda não está bem organizada em todas as Paróquias. Aqui em Piabetá nós começamos formando equipe tanto na Matriz como nas comunidades. Agora, temos feito reuniões ou assembleias nos Decanatos e nas Paróquias. Nós apresentamos um vídeo de Antoninho Tatto, da editora O Recado, falando sobre a importância do dízimo.

Também temos vários livros da editora O Recado, por exemplo, “Dízimo e encontros”, “O Dízimo explicado em 12 histórias”, “Doze celebrações da partilha e da gratidão – Subsídios para celebrar o dízimo mês a mês”, “Encontros da partilha – Novena do dízimo”, “Dízimo e oferta na comunidade”, “Pastoral do dízimo – Projeto de amor”, “Dízimo uma experiência de fé e de amor”. Temos ainda um subsídio para implantar o dízimo para as crianças, chama-se “Guia do dízimo mirim”.

É claro que a grande propaganda do dízimo é a transparência e apresentar para o povo o balancete do que se realiza com o dinheiro ofertado no dízimo. Às vezes, algumas pessoas ficam preocupadas, achando que, com o dízimo, vai diminuir a oferta. Pelo contrário, não diminui a oferta. Além disso, tempos atrás, algumas desistências eram porque se dizia que, colocando o dízimo, iriam tirar as taxas por exemplo dos Sacramentos. Claro que não vamos falar que isso acontece diretamente, mas, com o tempo, indiretamente, o dízimo vai dando para sustentar a Paróquia.

O que também motiva a implantação do dízimo é, quando o dízimo da matriz dá para sustentá-la, deixar o dízimo da comunidade na própria comunidade. Por exemplo, em são José do Vale do Rio Preto, eu fazia o seguinte, o dízimo da comunidade ficava 50% na comunidade e 50% para a matriz.

Em Piabetá, como temos muitos fiéis na matriz, o dízimo da matriz dá para sustentá-la e o dízimo da comunidade fica todo para a comunidade. Outra importância da Pastoral do Dízimo é que, pouco a pouco, vamos tirando as festas, que muitas vezes são estressantes e até constrangedoras porque é preciso fazer ofício e ficar pedindo para o comércio e os empresários. O que também vimos que deu certo, tanto em Piabetá como em São José do Vale do Rio Preto, é a possibilidade de tirar as bebidas alcoólicas das festas. Isso é um grande testemunho. Nós temos fiéis que são alcoólatras e a Igreja precisa fazer a diferença. Então, para que essas pessoas e seus familiares possam vir às festas e sentirem segurança, achei por bem tirar. Tudo isso tem ajudado e motivado o dízimo.

Para implantar o dízimo, precisamos formar uma equipe, que é uma pastoral e não uma equipe financeira para arrecadar dinheiro para a Igreja. É uma equipe que tem como função ser pastores, pois pastoral vem de pastor. Então, os membros dessa equipe vão se reunir, rezar, meditar a Palavra de Deus, fazer retiros. Eles também vão dar atenção ao dizimistas,  lembrando o aniversário dele, mandando um cartão, fazendo o sorteio de um brinde. Outra iniciativa é implantar na Igreja o domingo do dízimo. Graças a Deus, em nossa Diocese está havendo uma conscientização. (Texto publicado na edição de Dezembro/2014 do Jornal Diocesano)