Carcerária

Carcerária

A Pastoral Carcerária (PCr) na Diocese de Petró- polis vem se desenvolvendo desde os anos 1970 com algumas pessoas que se dispunham a visitar a 105ª DP em Petrópolis. Segundo as pioneiras Dona Eulina e Ir. Roberta, elas sentiam o chamado de Deus para visitar o próprio Cristo encarcerado.

A vontade de Deus era cumprida a partir do íntimo do coração e da base espiritual delas, do desejo de servir ao próximo por amor a Cristo. Por volta de 1992, um grupo de seis pessoas, iniciou suas atividades na 106ª DP em Itaipava. Dentre as atribuições estavam, louvores, leitura da Palavra de Deus com meditação, preces.

Destacava-se maior atenção à escuta, uma vez que a dignidade do Ser Humano parte da possibilidade de falar de si. Algumas datas como Páscoa e Natal eram comemoradas com Celebração da Palavra e confraternização. Esse trabalho de Evangelização era realizado sem nenhum registro de estruturação formal.

Logo nos primeiros meses de 1997, particularmente sob motivação da Campanha da Fraternidade daquele ano, cujo tema era “A Fraternidade e os Encarcerados”, sob a liderança do Pe. Quinha organizou-se um grupo que pretendia implantar um serviço de assistência religiosa, social e material aos encarcerados de todo o território diocesano. Essa iniciativa foi acolhida pelo Excelentíssimo Senhor Bispo Diocesano que, através do Decreto nº 009/97 oficializou a criação da Pastoral Carcerária na Diocese.

A designada coordenação tinha por objetivo implantar a Pastoral nas diversas Paróquias da Diocese, promovendo a articula- ção das várias iniciativas já existentes, procurando entrosá-las dentro do trabalho em conjunto com as demais Pastorais.

A nova coordenação tratou de fazer contatos com as autoridades competentes, ligadas ao sistema prisional e ao poder Judiciário, dando conta da existência da Pastoral; da mesma forma, estabeleceu contato com a Pastoral da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Foi traçada a Estrutura da PCr estabelecendo Núcleos em cada região onde existia instalada alguma unidades prisionais.

Atualmente, a Pastoral Carcerária conta com um total de 23 agentes divididos em quatro núcleos: Petrópolis, Teresópolis, São José do Vale do Rio Preto e Magé. Que não só atuam nas unidades prisionais como Cadeias Públicas, Penitenciá- ria, CRIAAD (Centro de Recursos Integrados de Atendimento ao Adolescente), mas também com os familiares, através de apoio espiritual, jurídico e alguns caso com doações de cestas básicas, como ocorre com as famílias que são atendidas pelo núcleo de Petrópolis.

Alexandre Nunes – Agente da Pastoral Carcerária da Diocese de Petrópolis

Texto publicado na edição de maio/2015 do Jornal Diocesano Voz da Igreja