Artigos, Lectio Divina › 09/08/2018

Tu és o Cristo

Em Jeremias 31, 31-34, o Senhor promete realizar nova aliança com seu povo, melhor que a anterior quando os retirou do Egito. A nova aliança será inscrita em seus corações. Ele será o seu Deus e eles seu povo. Todo vão reconhecer que é Ele o Senhor. Muitas vezes a Palavra de Deus fala de “aliança”, entre pessoas, povos, entre Deus o seu povo. Aliança, contrato, compromisso, promessa, são termos que garantem a ligação entre pessoas que tomam uma decisão formal para realizar uma união de pensamentos, de propósito, de ideal.

Deus não precisa jurar por nada. O que ele pensa e quer é só o bem e sempre cumpre o que promete. Nosso relacionamento devia ser sempre sobre a verdade e o bem. Infelizmente nossa palavra, juramento, promessa perdem o valor quando usados como aparência de verdade, escondendo a verdadeira intenção da pessoa.

Mas para Deus as palavras usadas em seu sentido original são usadas por Ele para manifestar a intenção e vontade de participar de nossa vida com sua presença e ação divinas. Nossa fé tem pois a garantia de que quando Deus fala, Ele cumpre. E Jesus praticamente em sua vida quis declarar que Ele como Deus, como Palavra do Pai é a Verdade que  nos conduz sempre pelo caminho da Vida.

Em Mateus 16, 13-23, Jesus pergunta aos discípulos quem era Ele para eles. Uns diziam que era o Batista ou um dos profetas. E Jesus:” e vocês?” Pedro responde: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Jesus o elogia e lhe diz que ele vai ser a pedra sobre a qual irá construir a sua Igreja que vencerá todo o mal. E eles poderão ligar e desligar na terra. Depois Jesus fala dos sofrimentos pelos quais vai passar. Pedro diz que isto não vai acontecer. E Jesus censura Pedro por não pensar como Deus e sim com pensamentos humanos.

É momento de “curiosidade” de Jesus. Não que não soubesse seus pensamentos e comentários. É maneira didática de ensinar. Falar do que pensa e o que sente é bom começo de conversa.  É até um encaminhamento para que as pessoas com pequenos ou grandes problemas psíquicos possam se abrir e desarmar seu espírito.

Enfim depois de saber das opiniões das pessoas, Jesus quer saber o que eles mesmos pensavam dele. Pedro toma a dianteira e faz um afirmação profética fantástica bem além de sua vivência de pescador e de conhecimento bíblico.

Jesus aceita e em cima desta resposta apresenta seu propósito sobre a futura missão de Pedro. O momento foi grandioso e revelador. Então Jesus, o Filho do Deus vivo diz que vai ser preso e sofrer muito. Isto caiu como um raio sobre Pedro. Perdeu toda a pose. E não aceita. E não quer. Jesus então o chama de satanás…

Somos todos muito fieis a Cristo nas horas festivas e de vitórias. Nos momentos em que vemos Cristo carregando a cruz e somos chamados como o Cirineu, fugimos como Pedro na hora da prisão de Jesus. Que jamais Jesus possa nos  chamar de satanás por rejeitar a sua e a minha cruz.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.