Diocese, Notícias › 24/08/2018

Padres vestem a camisa em defesa da vida e da família

A Diocese de Petrópolis, assim como toda a Igreja Católica no Brasil, está empenhada em defender a vida e a família contra as tentativas de aprovar o aborto e as ideologias que tentam destruir a família. Com este objetivo, a Paróquia Santo Antônio de Paquequer ao contribuir com a organização do Congresso Diocesano das Vocações e da Família apresentou uma logo que leva as pessoas a refletir sobre a família. Os padres da Diocese vestiram a camisa em Defesa da Vida, entre eles, Padre Carlos Veraldo Pereira, da Paróquia de Venda Nova, Padre Ernande Nascimento da Paróquia São Pedro, Padre Jorge Luiz e o Padre Jair Aparecido de Oliveira (FDCC).

Para que todos possam entender a arte, foi divulgado o segundo texto:

Estamos vivendo um momento em que as famílias estão sofrendo muito intensamente com todo tipo de ataque. Sejam esses ataques pela banalização do próprio sacramento do matrimônio, imposição das culturas do descartável, do imediatismo, do egocentrismo, do relativismo, da vivência desordenada da sexualidade e até a da presente cultura de morte como a tentativa de legalização do aborto.

A última batalha, o enfrentamento final, será sobre a família e sobre a vida. A profecia é da Irmã Lúcia dos Santos, a vidente de Fátima, cujo processo de beatificação começou em fevereiro de 2015.

Toda a arte está contextualizada dentro de uma única caixa de diálogo com a frase: “Somos todos uma só família”, para cumprir o que o Papa Francisco, na sua Encíclica Lumen Fidei, número 47, ensino: “A unidade da Igreja, no tempo e no espaço, está ligada à unidade da fé (…) a fé é uma, porque é partilhada por toda a Igreja, que é um só corpo e um só Espírito: “Há um só Corpo e um só Espírito” (Ef 4, 4-5)”, denotando assim que: Temos uma só voz de uma só Igreja que é uma só família;

A utilização da família, está fazendo memória a Sagrada Família que é o “princípio que dá forma a cada família e a torna capaz de (…) tornar-se uma luz na escuridão do mundo” (Papa Francisco), na sua Exortação Apostólica Amoris Laeticia, número 66; Além de formarem a representação de um coração que está no centro da bandeira do Brasil, denotando assim que: O coração da pátria é a família.

As cores utilizadas, foram as da bandeira do nosso país, mais somando-se a elas um novo significado:

O verde retrata a esperança (virtude teologal) no cuidado de nossa pátria, que é a nossa “Casa Comum”, como já retratado pelo Papa Francisco, na sua Encíclica Laudato Si’, número 13: “O urgente desafio de proteger a nossa casa comum inclui a preocupação de unir toda a família humana;

O amarelo retrata a riqueza, mas não somente do nosso solo, mas sim da maior riqueza de todas, a participação na cocriação que é o próprio dom da vida que nos assegura um futuro;

O azul retrata a proteção poderosa do manto sagrado de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, que não só nos agraciou com sua predileção materna, mais escolheu essa Terra de Santa Cruz, para com vosso auxílio iluminar a todos com a propagação da fé;

O branco retrata o chamado do Ano do Laicato “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5, 13-14), que nos anima a busca da transformação da sociedade;

A arte tem seu desfecho na frase “Escolhe, pois a vida” (Dt 30, 19), que por sua vez foi o apelo da campanha da fraternidade de 2008. Em exatos 10 anos atrás, a CNBB já vinha nos alertando para a fraternidade em defesa da vida, que já estava pedindo socorro nas suas diversas faces, e nos fazia compreender a necessidade de novas atitudes. Hoje urge a necessidade da ação concreta, por isso, a frase ganhou uma nova expressão como: Nós escolhemos, pois a vida e vida em abundância!

“Como igreja doméstica, a família é chamada a anunciar, celebrar e servir o Evangelho da vida”.

(São João Paulo II, na sua Encíclica Evangelium Vitae, número 92)

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.