Liturgia diária › 17/12/2017

Ano B – 3ª Domingo do Advento – Evangelho – Jo 1,6-8.19-28

Liturgia da Horas
Tempo do Advento – 3ª Semana do Saltério

Antífona do Magnificat: O Sapientia:
Ó Sabedoria, que saístes da boca do Altíssimo, e atingis até os confins de todo o universo e com força e suavidade governais o mundo inteiro: oh vinde ensinar-nos o caminho da prudência! (canto)

Ofício: Laudes (Manhã); Hora Sexta (Meio dia); Vésperas (tarde) e Completas (noite)

Liturgia da Missa
Cor: Roxo – Missa Própria “Gaudete”: (sem Gl), Prefácio Advento 1 (Página 406 Missal Romano)

Leituras do Dia

1ª Leitura do Livro do Profeta Isaías 61,1-2a.10-11

1O Espírito do Senhor Deus está sobre mim,
porque o Senhor me ungiu;
enviou-me para dar a boa-nova aos humildes,
curar as feridas da alma,
pregar a redenção para os cativos
e a liberdade para os que estão presos;
2apara proclamar o tempo da graça do Senhor.
10Exulto de alegria no Senhor
e minh’alma regozija-se em meu Deus;
ele me vestiu com as vestes da salvação,
envolveu-me com o manto da justiça
e adornou-me como um noivo com sua coroa,
ou uma noiva com suas jóias.
11Assim como a terra faz brotar a planta
e o jardim faz germinar a semente,
assim o Senhor Deus fará germinar a justiça
e a sua glória diante de todas as nações.
Palavra do Senhor.

Salmo – Lc 1,46-48.49-50.53-54 (R. Is 61,10b)

R. A minh’alma se alegra no meu Deus. 
46‘A minha alma engrandece o Senhor,*
47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
48porque olhou para a humildade de sua serva.*
Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada.R.49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas
em meu favor.* O seu nome é santo,
50e sua misericórdia se estende, de geração em geração,*
a todos os que o respeitam. R.53Encheu de bens os famintos,*
e despediu os ricos de mãos vazias.
54Socorreu Israel, seu servo,*
lembrando-se de sua misericórdia. R.
2ª Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses 5,16-24

Irmãos:
16Estai sempre alegres!
17Rezai sem cessar.
18Dai graças em todas as circunstâncias,
porque esta é a vosso respeito
a vontade de Deus em Jesus Cristo.
19Não apagueis o espírito!
20Não desprezeis as profecias,
21mas examinai tudo e guardai o que for bom.
22Afastai-vos de toda espécie de maldade!
23Que o próprio Deus da paz vos santifique totalmente,
e que tudo aquilo que sois
– espírito, alma, corpo –
seja conservado sem mancha alguma
para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo!
24Aquele que vos chamou é fiel;
ele mesmo realizará isso.
Palavra do Senhor.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1,6-8.19-28

6Surgiu um homem enviado por Deus;
Seu nome era João.
7Ele veio como testemunha,
para dar testemunho da luz,
para que todos chegassem à fé por meio dele.
8Ele não era a luz,
mas veio para dar testemunho da luz:
19Este foi o testemunho de João,
quando os judeus enviaram de Jerusalém
sacerdotes e levitas para perguntar:
‘Quem és tu?’
20João confessou e não negou.
Confessou: ‘Eu não sou o Messias’.
21Eles perguntaram: ‘Quem és, então?
És tu Elias?’
João respondeu: ‘Não sou’.
Eles perguntaram: ‘És o Profeta?’
Ele respondeu: ‘Não’.
22Perguntaram então: ‘Quem és, afinal?
Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram.
O que dizes de ti mesmo?’
23João declarou:
‘Eu sou a voz que grita no deserto:
‘Aplainai o caminho do Senhor`’
– conforme disse o profeta Isaías.
24Ora, os que tinham sido enviados
pertenciam aos fariseus
25e perguntaram: ‘Por que então andas batizando,
se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?’
26João respondeu: ‘Eu batizo com água;
mas no meio de vós está aquele
que vós não conheceis,
27e que vem depois de mim.
Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias.’
28Isso aconteceu em Betânia além do Jordão,
onde João estava batizando.
Palavra da Salvação.

Comentário Monsenhor Paulo Daher

Em Isaías 61, 1-2a.10-11, o profeta afirma que o Espírito do Senhor estará sobre o enviado de Deus que cuidará dos pobres, vai curar feridas do espírito, libertar os prisioneiros. Assim como a terra faz brotar tantas plantas, assim o Senhor fará germinar a semente da justiça e manifestará seu poder.

O tempo do advento nos proporciona ocasião para revisão de vida, e avaliar nossos passos para a frente e nossos passos para trás.

E não podemos deixar o tempo correr. Porque de fato não existe isso. O que vivemos não fica parado. Fica para trás como tempo perdido, vazio.

Por exemplo, não é muito científico, mas tem uma grande dose de verdade pela inutilidade dessa vida. Se  nos sentarmos numa cadeira sem fazer nada, alimentando-nos com o necessário para sobreviver, sem caminhar nada. Envelheceremos mais depressa, pois desgastamos todas as reservas de saúde que tivermos. E nem encontraremos razão de viver.

O profeta afirma que o Espírito de Deus não para. É criativo e ativo. E essa movimentação com que o Espírito investe o enviado de Deus não é em torno da própria pessoa. É indo ao encontro dos outros.

Quem é mais beneficiado é quem se mostra, se comunica. Quem só olha para si mesmo, fica preso na sua vidinha sem horizontes. Só vive com seus pensamentos, desejos, em ações que parecem marcar passo, sem sair do lugar.

É muito bom estar com outras pessoas. É o que dizia o escritor Chesterton: homem algum é uma ilha.Seria fechar-se num deserto sem fim…

É todo o sentido de Deus no paraíso: Não é bom que o homem esteja só. Gn 2, 18) Nossa natureza é feita para comunicar-nos com o mundo exterior e de modo especial com pessoas mesmo. Senão ficamos muito pobres de mente e coração. É também todo o sentido da família como Deus quis. A diferença de qualidades, funções, ação e reação tudo é riqueza que desenvolve todo o nosso ser.

Na 1ª. carta aos Tessalonicenses, 5, 16-24, o apóstolo convida a estar alegre, que rezem, agradeçam. Que se afastem de toda a maldade. Não apaguem seu espírito, não desprezem as profecias. Afastem-se de toda a maldade. Quem chamou vocês é fiel.

Neste tempo de advento, nossa Igreja nos lembra este convite do apóstolo aos cristãos de Tessalônica: estejam alegres. Porque? Que alegria?

Alegria é um momento ou estado de espírito em que nos sentimos satisfeitos com o que somos ou fazemos. Somos como que envolvidos por uma aura de luz, calor, que atrai as pessoas para um clima de felicidade…

O apóstolo além dessa rica experiência humana, fala da alegria espiritual, que vem de Deus: é sincera,contagiante e transformadora.

Por isso logo nos faz entrar em contato com Deus, leva-nos a ouvi-lo, a falar-lhe, com oração espontânea que brota do coração.

Precisamos chegar leves no Natal. A começar pelo nosso coração: purifiquemo-nos de todo o mal…

Em missas mais solenes, o sacerdote costuma usar o turíbulo para nele queimar incenso. E como o incenso no fogo produz uma fumaça perfumosa que sobe ao alto, usamos esse gesto  de conduzir o turibulo com incenso na direção da cruz, envolvendo o altar com esta espécie de nuvem perfumosa, louvando a Deus, aceitando-o como nosso Senhor e ao mesmo tempo nos purificando de nossos pecados.

E o apóstolo faz um pedido sério: não apaguem o espírito. Parece-me que fala do Espírito Santo. Então como apagamos o Espírito que é o Amor de Deus? É impossível impedir que o Amor de Deus deixe de agir. Mas podemos fugir dos raios de seu amor, não ouvi-lo, não atende-lo.

Então não podemos acabar com Ele. Mas infelizmente, como o Senhor não quer forçar ninguém a nada, Ele espera, assiste que nossa vaidade nos humilhe, querendo o que não pode conseguir. Mesmo que lhe fechemos as portas de nosso coração, Ele sabe como entrar.

Em João 1, 6-8.19-28, João apareceu. Não era luz, mas testemunhava a luz. Perguntado quem era ele, respondeu que não era o Cristo. Era uma voz que gritava no deserto para preparar os caminhos para o Senhor que virá. Ele batizava pela água, mas o Messias batizará no fogo e no Espírito Santo.

Depois de tantos anos de espera, de profecias, aparece um homem austero, à margem do rio Jordão. Sua palavra lembrava o tom veemente e incisivo do profeta Elias, ao mesmo tempo impressionava tanto a sua autoridade, que além de alguns pensarem que Elias tinham voltado, outros perguntavam se não seria ele o Messias.

Era uma voz que ecoava no deserto convocando todos para acolher o Salvador: eis o Cordeiro de Deus (Jo 1, 36)

Não era a Luz, mas refletia perfeitamente o amor de Deus que estava chegando para iluminar as trevas em que a humanidade estava envolta.

Preparem o caminho para o Senhor. Pois Ele vem, mas quer que lhe preparemos e  apresentemos a estrada pela qual deseja chegar até nós.

Ele vai batizar no fogo, o Espírito Santo, o Amor de Deus.

Assim como o ser humano saiu do coração e do amor de Deus, agora mais ainda o próprio Amor desce para recriar nossas vidas e fazer de cada um de nós, de novo como era seu primeiro plano: filhos queridos de Deus.

Jesus veio, cumpriu sua missão. Quis que outras vozes, nós, o anunciássemos às pessoas.

A preparação para o Natal deve despertar em nós mais uma vez a vontade de anunciar a todos que Jesus vem e quer de novo nascer em muitos corações. Pois somos mais que os anjos que anunciavam na noite de Belém que Jesus havia nascido. Somos mais que a Estrela que guiou os santos reis para virem receber o Salvador.

Muita gente ainda não sabe que Jesus veio à terra e quer encontrar com todos. Nós que já pertencemos à sua família não podemos olhar da janela de nossa vida os outros que passam por Belém e nada sabem que Jesus já veio,  quer receber e ver a todos.