Liturgia diária › 17/01/2021

Abo B (Ímpar) – 2º Domingo do Tempo Comum – Evangelho – Jo 1,35-42

Leitura do Primeiro Livro de Samuel 3,3b-10.19

Naqueles dias:
3bSamuel estava dormindo no templo do Senhor,
onde se encontrava a arca de Deus.
4Então o Senhor chamou: ‘Samuel, Samuel!’
Ele respondeu: ‘Estou aqui’.
5E correu para junto de Eli e disse:
‘Tu me chamaste, aqui estou’.
Eli respondeu: ‘Eu não te chamei.
Volta a dormir!’
E ele foi deitar-se.
6O Senhor chamou de novo: ‘Samuel, Samuel!’
E Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse:
‘Tu me chamaste, aqui estou’.
Ele respondeu: ‘Não te chamei, meu filho.
Volta a dormir!’
7Samuel ainda não conhecia o Senhor,
pois, até então, a palavra do Senhor
não se lhe tinha manifestado.
8O Senhor chamou pela terceira vez: ‘Samuel, Samuel!’
Ele levantou-se, foi para junto de Eli e disse:
‘Tu me chamaste, aqui estou’.
Eli compreendeu que era o Senhor
que estava chamando o menino.
9Então disse a Samuel:
‘Volta a deitar-te e, se alguém te chamar, responderás:
‘Senhor, fala, que teu servo escuta!’
E Samuel voltou ao seu lugar para dormir.
10O Senhor veio, pôs-se junto dele
e chamou-o como das outras vezes: ‘Samuel! Samuel!’
E ele respondeu: ‘Fala, que teu servo escuta’.
19Samuel crescia, e o Senhor estava com ele.
E não deixava cair por terra nenhuma de suas palavras.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 39,2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R.8a.9a)

R. Eu disse: Eis que venho, Senhor,
com prazer faço a vossa vontade.!

2Esperando, esperei no Senhor,*
e inclinando-se, ouviu meu clamor.
4Canto novo ele pôs em meus lábios,*
um poema em louvor ao Senhor.R.

7Sacrifício e oblação não quisestes,*
mas abristes, Senhor, meus ouvidos;
não pedistes ofertas nem vítimas,*
holocaustos por nossos pecados. R.

8E então eu vos disse: ‘Eis que venho!’*
Sobre mim está escrito no livro:
9‘Com prazer faço a vossa vontade,*
guardo em meu coração vossa lei!’R.

10Boas-novas de vossa justiça
anunciei numa grande assembléia;*
vós sabeis: não fechei os meus lábios!R.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 6,13c-15a.17-20

Irmãos:
13cO corpo não é para a imoralidade, mas para o Senhor,
e o Senhor é para o corpo;
14e Deus, que ressuscitou o Senhor,
nos ressuscitará também a nós, pelo seu poder.
15aPorventura ignorais que vossos corpos
são membros de Cristo?
17Quem adere ao Senhor torna-se com ele um só espírito.
18Fugi da imoralidade.
Em geral, qualquer pecado
que uma pessoa venha a cometer
fica fora do seu corpo.
Mas o fornicador peca contra o seu próprio corpo.
19Ou ignorais que o vosso corpo
é santuário do Espírito Santo,
que mora em vós e que vos é dado por Deus?
E, portanto, ignorais também
que vós não pertenceis a vós mesmos?
20De fato, fostes comprados, e por preço muito alto.
Então, glorificai a Deus com o vosso corpo.
Palavra do Senhor.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1,35-42

Naquele tempo:
35João estava de novo com dois de seus discípulos
36e, vendo Jesus passar, disse:
‘Eis o Cordeiro de Deus!’
37Ouvindo essas palavras,
os dois discípulos seguiram Jesus.
38Voltando-se para eles e vendo que o estavam seguindo,
Jesus perguntou:
‘O que estais procurando?’
Eles disseram:
‘Rabi (que quer dizer: Mestre), onde moras?’
39Jesus respondeu: ‘Vinde ver’.
Foram pois ver onde ele morava
e, nesse dia, permaneceram com ele.
Era por volta das quatro da tarde.
40André, irmão de Simão Pedro,
era um dos dois que ouviram as palavras de João
e seguiram Jesus.
41Ele foi encontrar primeiro seu irmão Simão
e lhe disse: ‘Encontramos o Messias
(que quer dizer: Cristo)’.
42Então André conduziu Simão a Jesus.
Jesus olhou bem para ele e disse:
‘Tu és Simão, filho de João;
tu serás chamado Cefas’ (que quer dizer: Pedra).
Palavra da Salvação.

Reflexão: Monsenhor José Maria Pereira

Procurar e encontrar Cristo

O início da vida pública de Jesus, o começo de sua missão, é marcado pelo chamamento (VOCAÇÃO) dos primeiros discípulos. O Evangelho (Jo 1, 35-42) nos fala da vocação de João e André. O chamado nasce do testemunho de João Batista que aponta Jesus presente entre o povo: “Eis o cordeiro de Deus”. E segue aquela cena comovente. Jesus volta-se para eles e pergunta: “Que procurais?”  Eles responderam: “Rabi, onde moras?”  Ele disse: “Vinde e Vereis”! Eles foram e viram onde morava, e permaneceram com Ele aquele dia. O encontro causou tal impressão que o evangelista nunca mais esqueceu a hora.

A experiência do encontro com Cristo faz de André, um dos dois que O haviam seguido, um apóstolo: Encontrou seu irmão Simão e lhe disse: “Encontramos o Messias”. Ele o conduziu a Jesus!

Coisa maravilhosa! André conduz Pedro a Jesus. A experiência do convívio com Jesus transforma as pessoas em apóstolos! Todo o Cristão de acordo com o seu estado de vida, é um chamado a seguir Jesus, à santidade, ao apostolado.

Será que nossa experiência de encontro com Cristo, o Messias, é tão forte que sejamos capazes de conduzir outras pessoas a Jesus? Cada Domingo deveria repetir-se esta experiência do nosso encontro com Jesus Cristo, na Eucaristia, na escuta da Palavra, no encontro com os irmãos…

A Liturgia, além da vocação dos primeiros discípulos, apresenta-nos a vocação de Samuel (1Sm 3, 3-10. 19). No silêncio da noite Samuel se encontra com Deus que o chama.

A vocação é sempre uma iniciativa misteriosa e gratuita de Deus.

Seguir o Senhor, tanto naquela época como hoje, significa entregar-lhe o coração, o mais íntimo, o mais profundo do nosso ser, a nossa própria vida. Entende-se, pois, que para corresponder ao chamamento de Jesus, seja necessário guardar a castidade e purificar o coração. É São Paulo que nos ensina: “Fugi da fornicação… Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo que habita em vós, que o recebestes de Deus e que, portanto, não vos pertenceis? Fostes comprados por um grande preço. Glorificai a Deus no vosso corpo” (1Cor 6, 13-15; 17-20). Jamais ninguém como a Igreja ensinou a dignidade do corpo. “A pureza é glória do corpo humano perante Deus. É a glória de Deus no corpo humano” (São João Paulo II).

A castidade, fora ou dentro da vida matrimonial, segundo o estado e a peculiar vocação recebida por cada um, é absolutamente necessária para se poder seguir a Cristo e exige, juntamente com a graça divina, uma grande luta e esforço pessoais. As feridas do pecado original (na inteligência, na vontade, nas paixões e nos afetos), que não desaparecem com o Batismo, introduziram um princípio de desordem na nossa natureza: a alma, de maneiras muito diversas, tende a rebelar-se contra Deus, e o corpo resiste a submeter-se à alma; os pecados pessoais revolvem o fundo ruim que o pecado original deixou em nós e aumentam as feridas que causou na alma.

Os atos de renúncia, ainda que sejam imprescindíveis, não são tudo na guarda da castidade; a essência desta virtude é o amor: delicadeza e ternura com Deus, respeito pelas pessoas, que devem ser encaradas como filhos de Deus. A castidade “mantém a juventude do amor, em qualquer estado de vida” (São Josemaria Escrivá, É Cristo que passa, nº 25).

Para seguirmos o Senhor com um coração limpo, é necessário que pratiquemos um conjunto de virtudes humanas e sobrenaturais, apoiados sempre na graça, que nunca nos há de faltar se a pedimos com humildade e se desenvolvemos todos os esforços ao nosso alcance.

Entre as virtudes humanas, merece destaque a laboriosidade, o trabalho constante e intenso; muitas vezes, os problemas de pureza são uma questão de ociosidade ou de preguiça: “Cabeça vazia é oficina do diabo”. Também são necessárias a valentia e a fortaleza, para fugirmos da tentação…; a sinceridade na confissão e na direção espiritual.

Nenhum meio humano seria suficiente se não recorrêssemos ao trato íntimo com o Senhor na Oração e na Eucaristia. Nelas encontramos sempre a ajuda necessária, as forças que vêm em socorro da nossa fraqueza pessoal, no amor que nos cumula o coração, criado para o que é eterno, e, portanto, sempre insatisfeito com tudo o que há neste mundo. E o Sacramento da Penitência (Confissão) purifica-nos a consciência, concede-nos as graças específicas do sacramento para vencermos naquilo em que fomos vencidos, seja em matéria grave ou leve.

Possamos corresponder ao chamado que o Senhor nos fez, com um coração puro, e assim tenhamos o mesmo ardor missionário dos primeiros discípulos, que partiram com entusiasmo para anunciar aos amigos o tesouro que encontraram! É o que nos diz o Doc. de Aparecida, nº 29: “A alegria do discípulo não é um sentimento de bem-estar egoísta, mas uma certeza que brota da fé, que serena o coração e capacita para anunciar a boa nova do amor de Deus. Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-Lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-Lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria”.

A beleza deste tempo está no fato de que nos convida a viver a nossa vida ordinária como um itinerário de santidade, isto é, de fé e de amizade com Jesus, continuamente descoberto e redescoberto como Mestre e Senhor, Caminho, Verdade e Vida do homem. É o que nos sugere o Evangelho de João, apresentando – nos o primeiro encontro entre Jesus e alguns dos que se tornarão seus apóstolos. Eles eram discípulos de João Batista, e foi precisamente ele quem os orientou para Jesus, quando, depois do Batismo no Jordão O indicou como “Cordeiro de Deus” ( Jo 1, 36). Então dois dos seus discípulos seguiram o Messias, o qual lhes perguntou: “Que procurais?”. Os dois perguntaram – Lhe: “Mestre, onde moras?”. E Jesus respondeu: “Vinde e vereis”, isto é, convidou – os a segui – Lo e a estar um pouco com Ele. Nas poucas horas transcorridas com Jesus, eles ficaram tão admirados, que imediatamente um deles, André, falou com o irmão Simão dizendo – lhe: “Encontramos o Messias”. Eis duas palavras singularmente significativas; “procurar”, “encontrar”.

Podemos tirar do texto evangélico (Jo 1, 38 e 41) estes dois verbos (procurar e encontrar) e obter uma indicação fundamental para o ano que está iniciando, que desejamos seja um tempo no qual renovar o nosso caminho espiritual com Jesus, na alegria de O procurar e de O encontrar incessantemente. De fato, a alegria mais verdadeira está na relação com Ele encontrado, seguido, conhecido, amado, graças a uma contínua tensão da mente e do coração. Ser discípulo de Cristo: isto é suficiente para o cristão. A amizade com o Mestre garante à alma paz profunda e serenidade também nos momentos obscuros e nas provas mais difíceis. Quando a fé se confronta com noites escuras, nas quais já não se “sente” nem se “vê” a Presença de Deus, a amizade de Jesus garante que na realidade nada nos pode separar do seu Amor ( Rm 8, 39).

Procurar e encontrar Cristo, fonte inexaurível de verdade e de vida: a Palavra de Deus convida – nos a retomar, neste início de ano novo, o caminho de fé que nunca se conclui. “Mestre, onde moras?”, dizemos também nós a Jesus e Ele responde – nos: “Vinde e vereis”. Para o crente é sempre uma incessante busca e uma nova descoberta, porque Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre; mas nós, o mundo, a História, nunca somos os mesmos, e Ele vem ao nosso encontro para nos oferecer a sua comunhão e a plenitude da vida. Peçamos à Virgem Maria que nos ajude a seguir Jesus, saboreando todos os dias a alegria de compreender cada vez mais o seu Mistério.

Como Samuel, sejamos disponíveis: “Fala, Senhor, que teu servo escuta” (1Sm 3, 10).