Liturgia diária › 23/01/2020

Ano A (Par) – 5ª-feira da 2ª Semana do TC – Evangelho – Mc 3,7-12

Liturgia das Horas
Laudes (manhã) – Vésperas (tarde) – Completas (Noite)

Leituras (ano Par)

1ª Leitura – 1Sm 18,6-9; 19,1-7

Naqueles dias:
6Quando Davi voltou, depois de ter matado o filisteu,
as mulheres de todas as cidades de Israel
saíram ao encontro do rei Saul,
dançando e cantando alegremente
ao som de tamborins e címbalos.
7E, enquanto dançavam, diziam em coro:
‘Saul matou mil, mas Davi matou dez mil’.
8Saul ficou muito encolerizado com isto
e não gostou nada da canção, dizendo:
‘A Davi deram dez mil, e a mim somente mil.
Que lhe falta ainda, senão a realeza?’
9E, a partir daquele dia,
não olhou mais para Davi com bons olhos.
19,1Saul falou a Jônatas, seu filho,
e a todos os seus servos
sobre sua intenção de matar Davi.
Mas Jônatas, filho de Saul,
amava profundamente Davi,
2e preveniu-o a respeito disso, dizendo:
‘Saul, meu pai, procura matar-te;
portanto, toma cuidado amanhã de manhã,
e fica oculto em um esconderijo.
3Eu mesmo sairei em companhia de meu pai,
no campo, onde estiveres,
e lhe falarei de ti, para ver o que ele diz,
e depois te avisarei de tudo o que eu souber’.
4Então Jônatas falou bem de Davi a Saul, seu pai,
e acrescentou:
‘Não faças mal algum ao teu servo Davi,
porque ele nunca te ofendeu.
Ao contrário, o que ele tem feito
foi muito proveitoso para ti.
5Arriscou a sua vida, matando o filisteu,
e o Senhor deu uma grande vitória a todo o Israel.
Tu mesmo foste testemunha e te alegraste.
Por que, então, pecarias,
derramando sangue inocente
e mandando matar Davi sem motivo?’
6Saul, ouvindo isto,
e aplacado com as razões de Jônatas, jurou:
‘Pela vida do Senhor, ele não será morto!’
7Então Jônatas chamou Davi
e contou-lhe tudo isto.
Levou-o em seguida a Saul,
para que ele retomasse o seu lugar, como antes.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 55, 2-3. 9-10ab. 10c-11. 12-13 (R. 5bc)

R. É no Senhor que eu confio e nada temo.

2Tende pena e compaixão de mim, ó Deus, +
pois há tantos que me calcam sob os pés, *
e agressores me oprimem todo dia!
3Meus inimigos de contínuo me espezinham, *
são numerosos os que lutam contra mim!R.

9Do meu exílio registrastes cada passo, +
em vosso odre recolhestes cada lágrima, *
e anotastes tudo isso em vosso livro.
10aMeus inimigos haverão de recuar +
10bem qualquer dia em que eu vos invocar;R.

10ctenho certeza: o Senhor está comigo!
11Confio em Deus e louvarei sua promessa.R.

12É no Senhor que eu confio e nada temo: *
que poderia contra mim um ser mortal?
13Devo cumprir, ó Deus, os votos que vos fiz, *
e vos oferto um sacrifício de louvor,R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,7-12

Naquele tempo:
7 Jesus se retirou para a beira do mar,
junto com seus discípulos.
Muita gente da Galiléia o seguia.
8 E também muita gente da Judéia,
de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão,
dos territórios de Tiro e Sidônia,
foi até Jesus, porque tinham ouvido falar
de tudo o que ele fazia.
9 Então Jesus pediu aos discípulos
que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão,
para que não o comprimisse.
10 Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas,
e todos os que sofriam de algum mal
jogavam-se sobre ele para tocá-lo.
11 Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés,
gritando: ‘Tu és o Filho de Deus!’
12 Mas Jesus ordenava severamente
para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

No 1º. Livro de Samuel, 18, 6-9; 19, 1-7, depois que Davi matou Golias, ao entrar na cidade, as mulheres gritavam: “Saul matou mil, Davi dez mil.” O rei não gostou e a partir daí olhava com maus olhos a Davi. O rei falou a seu filho Jônatas e aos servos que matassem Davi. Jonatas era amigo de Davi e o avisou.
Ao mesmo tempo convenceu seu pai sobre todo o bem que Davi fizera pelo povo nas batalhas que vencera..
Em qualquer lugar, em todo o trabalho em que haja dedicação, em atividades pastorais e religiosas, mas que são feitos por seres humanos, sempre encontraremos este veneno da inveja ou da vaidade.
Até entre os apóstolos aconteceu(Mt 20,24-28) quando dois deles queriam lugar de honra junto a Jesus.
Todos somos ciosos de nossas qualidades (mesmo que não as tenhamos tão destacadas!). Não gostamos ser deixados de lado. E Cristo algumas vezes falou sobre isso(Mt 20, 16; 23,6;Mc 10,44;Lc14,7).
Uma boa lição nos dá Maria quando diante da notícia muito importante da História da Salvação(Lc 1, 31): a vinda do Filho de Deus que seria seu filho pela natureza humana, responde: Eis aqui a serva do Senhor… (Lc 1,38) e depois diante dos grandes elogios de Isabel, diz ainda: Deus olhou para sua pobre serva… (Lc 1, 48)
Não sei, mas acho que muitos de nós sentiria o que aconteceu quando Jesus foi para sua missão que chamamos de vida pública, nos três últimos anos de sua vida. Ele não chamou para ajudá-lo como apóstolo, a criatura mais santa que Deus havia escolhido: Maria.
Todos temos nosso papel no plano de Deus. E onde estamos somos importantes e, podemos dizer, insubstituíveis. Todos por isso devem ser respeitados em seu lugar.
S. Paulo comenta sobre os membros do corpo humano (comparando com o Corpo que é a Igreja!): nenhum membro é mais importante que o outro. Cada um em seu lugar é insubstituível: a cabeça, as mãos, os pés etc. (1Cor 12, 12-30)

Em Marcos, 3, 7-12, Jesus retirou-se com seus discípulos e grande multidão o seguia para ouvir o que ele ensinava. Curou muitos mesmo os que só tocavam em suas vestes. Até os maus espírito gritavam: ” Tu és o Filho de Deus. ” E ele lhes proibia que dessem a conhecê-lo.
Se abrirmos um frasco de perfume, logo o ambiente fica cheio do odor dele. Se acendermos uma lâmpada numa sala escura, tudo fica iluminado. Se numa sala de enfermaria entrar uma enfermeira alegre, que sabe dirigir palavra amiga e sincera a cada doente, todos os rostos se abrirão de felicidade.(Caso conhecido também!)
Assim acontecia com Jesus. Por onde passava todos se encantavam com sua presença, sua palavra animadora e seu atendimento milagroso para quem precisasse. Até os espíritos malignos reconheciam seu poder divino.
Se dermos espaço para o Senhor passar, se abrirmos as portas de nossas casas e corações para que Jesus venha nos visitar, tudo será transformado, como na pequena história do Menino do dedo verde.
Era um menino que tinha o poder de o que tocasse com seu dedo verde de esperança paz e alegria, tudo se transformava em alegria ao brotar uma planta verde com flores. Eram as janelas e portas das casas, eram os rostos tristes sofridos e abatidos, eram os doentes nos hospitais cujos rostos se iluminavam de paz e alegria. Eram os canhões que em vez de balas soltavam flores, por onde passava tudo se transformava em bem, alegria e felicidade.
É mais que isso nosso querido Jesus. Ele é perfume, é luz, é flor, é paz, alegria, é saúde, é satisfação de viver.
Para grandes eventos de apresentações de ídolos da música, hoje só quem tem dinheiro pode participar e com antecedência.
Para ver e estar com Jesus não há necessidade nem de dinheiro, nem de entrada cara, nem de pistolão político, nem de escolher os melhores lugares.
Onde ele estiver (e está bem ao nosso lado!) podemos ouvi-lo, tocá-lo, ser visto, ser reconhecido, abraçado por Ele com amor como grandes amigos.
Sabe, você está convidado desde já. Está sempre na lista de seus convidados. Não falte! Ele está esperando por você de braços abertos e com um grande sorriso de predileção.
Não tenha receio de seus pecados. Isto ele resolve depois.