Liturgia diária › 14/01/2020

Ano A (Par) – 3ª-feira da 1ª Semana do TC – Evangelho – Mc 1,21b-28

Verde. Ofício do dia de semana e Missa à escolha. Missa pr. da 1ª semana: Pf comum.

Liturgia das Horas
Laudes (manhã) – Vésperas (tarde) – Completas (Noite)

Leituras (ano Par)

1ª Leitura – 1Sm 1,9-20

Naqueles dias:
9Ana levantou-se,
depois de ter comido e bebido em Silo.
Ora, o sacerdote Eli estava sentado em sua cadeira
à porta do templo do Senhor.
10Ana, com o coração cheio de amargura,
orou ao Senhor, derramando copiosas lágrimas.
11E fez a seguinte promessa, dizendo:
‘Senhor Todo-poderoso,
se olhares para a aflição de tua serva
e te lembrares de mim,
se não te esqueceres da tua escrava
e lhe deres um filho homem,
eu o oferecerei a ti
por todos os dias de sua vida,
e não passará navalha sobre a sua cabeça’.
12Como ela se demorasse nas preces diante do Senhor,
Eli observava o movimento de seus lábios.
13Ana, porém, apenas murmurava;
os seus lábios se moviam,
mas não se podia ouvir palavra alguma.
Eli julgou que ela estivesse embriagada,
14por isso lhe disse:
‘Até quando estarás bêbada?
Vai tirar essa bebedeira!’
15Ana, porém, respondeu:
‘Não é isso, meu senhor!
Sou apenas uma mulher muito infeliz;
não bebi vinho, nem outra coisa que possa embebedar,
mas desafoguei a minha alma na presença do Senhor.
16Não julgues a tua serva como uma mulher perdida,
pois foi pelo excesso da minha dor
e da minha aflição que falei até agora’.
17Eli então lhe disse:
‘Vai em paz,
e que o Deus de Israel te conceda o que lhe pediste’.
18Ela respondeu:
‘Que tua serva encontre graça diante dos teus olhos’.
E a mulher foi embora, comeu
e o seu semblante não era mais o mesmo.
19Na manhã seguinte,
ela e seu marido levantaram-se muito cedo
e, depois de terem adorado o Senhor,
voltaram para sua casa em Ramá.
Elcana uniu-se a Ana, sua mulher,
e o Senhor lembrou-se dela.
20Ana concebeu e,
no devido tempo, deu à luz um filho
e chamou-o Samuel,
porque – disse ela –
‘eu o pedi ao Senhor’.
Palavra do Senhor.

Salmo – 1Sm 2,1. 4-5. 6-7. 8abcd (R. Cf. 1a)

R. Meu coração se alegrou em Deus, meu Salvador.

1‘Meu coração exulta de júbilo no Senhor,
e minha fronte se eleva por meu Deus.
Minha boca desafia meus adversários,
porque me alegro na vossa salvação.R.

4O arco dos fortes quebrou-se,
enquanto os fracos são revigorados.
5Os saciados empregam-se pelo pão,
enquanto aos famintos não falta alimento.
A mulher estéril dá à luz sete vezes
enquanto a mãe fecunda fenece.R.

6O Senhor é quem dá a morte e a vida,
faz descer à morada dos mortos e de lá voltar.
7É o Senhor que torna pobre ou rico,
é ele que humilha e exalta.R.

8a Levanta do pó o necessitado
8b e do lixo ergue o indigente,
8c e o faz assentar entre os príncipes.
8d destinando-lhe um trono de glória,.R.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 1,21b-28

21bEstando com seus discípulos em Cafarnaum,
Jesus, num dia de sábado,
entrou na sinagoga e começou a ensinar.
22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento,
pois ensinava como quem tem autoridade,
não como os mestres da Lei.
23Estava então na sinagoga
um homem possuído por um espírito mau.
Ele gritou:
24’Que queres de nós, Jesus Nazareno?
Vieste para nos destruir?
Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus.’
25Jesus o intimou: ‘Cala-te e sai dele!’
26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência,
deu um grande grito e saíu.
27E todos ficaram muito espantados
e perguntavam uns aos outros: ‘O que é isto?
Um ensinamento novo dado com autoridade:
Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!’
28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte,
em toda a região da Galiléia.
Palavra da Salvação.

Comentário: Monsenhor Paulo Daher

No 1º. Livro de Samuel, 1, 9-20, indo oferecer sacrifícios ao Senhor em Silo, Ana se apresentou diante do Senhor e desabafou seu coração. E falou: “ meu Senhor se te lembrares de tua serva, e lhe deres um filho homem eu o consagrarei a ti por toda a sua vida.” Foi longa a oração. O sacerdote Eli vendo os lábios dela se moverem sem ouvir sua voz pensou que estivesse embriagada. Foi até ela. E Ana disse: estou muito triste e aflita. E Eli falou: “ Vai em paz e que Deus te conceda o que pedes.´ Passado um tempo Ana concebeu e deu à luz um filho a quem chamou de Samuel, porque dizia: “ eu o pedi ao Senhor Deus.”
Gerar um filho é obra criativa divina, pois os pais colaboram com Deus na vinda de mais um ser humano. E como tudo aqui na terra segue a lei do ontem do hoje e do amanhã. Tudo tem um começo, um desenvolvimento e um final.
Na vida humana como o Senhor desejou e quer sempre, ao nascer uma criança, ela é entregue a seus pais para que a assistam em seu desenvolvimento até formar sua personalidade e assumir as responsabilidades em sua vida.
Ana, além de ser grata ao Senhor por ajudá-la a ser mãe, e assumir seus deveres de educar seu filho Samuel, cumpriu o que prometera em suas preces aflitas. Foi direcionando a vida de seu filho desde cedo para o serviço ao Senhor no local sagrado.
Deus não pede esse gesto a todos. Mas espera que cada família oriente seus filhos na vivência religiosa. Conheço tantas famílias que na simplicidade de sua fé, além de assistirem as várias etapas da vida dos filhos no conhecimento, na saúde física, e nos trabalhos para sustentar a si e aos seus, procuram orientar a vida religiosa deles. Assim, além de sentirem apoio em seu crescimento humano, vão alimentando sua fé e seu amor a todos inspirados pela Palavra e Deus, pela oração e os sacramento de Igreja.
A vida humana hoje com tanta facilidade de meios em todos os campos, deveria criar pessoas alegres felizes, satisfeitas, dispostas com alegria a participar com todos deste mundo maravilhoso em que vivemos. É isso que vemos ? Por quê?
Alguém poderia dizer: Mas Ana era uma pessoa muito temente a Deus. Por isso fez o que fez. É verdade. Mas ninguém poderá dizer: foi privilégio dela por isso foi abençoada! Sim e não ! Todos somos abençoados por Deus porque somos filhos de Deus. A todos Deus atende se sua oração é sincera feita de todo o coração! Jesus disse: Tudo o que vocês pedirem ao Pai em meu nome Ele lhes dará. (Jo 14,13)
Às vezes parece que precisamos que Jesus repita uma e mais vezes o que já disse uma vez e para Ele basta afirmar, sem precisar de repetir, porque ele cumpre mesmo.
S. Paulo nos diz que nós não sabemos rezar como convém.(Rm 8,26)
Quando uma criança pequena chorando pede à mãe um pedaço de pão, ela não deixará de dar-lhe, mesmo que lhe faça falta. Jesus disse: se vocês que não são perfeitos sabem atender ao que seus filhos pedem, muito mais Deus. E ainda acrescenta: Deus irá dar-lhes o Espírito Santo, o Amor, a alegria de termos a certeza de que somos amados!(Lc 11,11)

Em Marcos, 1, 21b-28, Jesus com seus discípulos foram à sinagoga de Cafarnaum. Jesus ensinava e o povo dizia:” nunca ninguém falou com tanta autoridade.” Um homem possuído de espírito impuro gritou: “ – Que queres conosco, Jesus Nazareno. Vieste para arruinar-nos. Sei que tu és o Santo de Deus!” E Jesus:” – cala-te e sai dele.” O espírito sacudindo o homem deixou-o. Todos admirados diziam: “ Até os espíritos impuros o obedecem.” E sua fama corria por toda a Galileia.
Em muitas ocasiões, como esta na sinagoga de Cafarnaum, Jesus ensinava. E nem sempre o evangelista nos diz o que ele ensinava. Apresenta a admiração do povo no que e como ensinava, pelas curas etc. Por isso S. João escreve que há muito mais a contar dos ensinamentos e ações de Cristo que se fossem escritos não haveria lugar em livros para contê-lo.(Jo21.25)
Jesus, já desde que vivia com Maria e José, participava das atividades religiosas de seu povo. É exemplo para nós. Nossa fé se alimenta de nossas atitudes religiosas pessoais e familiares. Mas devemos também quanto possível participar das atividades religiosas de nossa Igreja nos momentos dos sacramentos, das novenas e outros atos devocionais. De modo especial na participação das missas.
Lembro-me ter dito a uma senhora muito religiosa mas que não costumava participar das celebrações religiosas na igreja paroquial. Ela dizia: eu tenho muita fé. Rezo muito, leio sempre a Palavra de Deus, e não tenho necessidade de ter de ir tanto à igreja. Respondi-lhe: sei que a senhora é muito religiosa, sim. Admiro seu conhecimento da religião e da Palavra de Deus. Mas pense bem, se seus vizinhos que talvez não tenham tanta fé, admirassem a senhora e pensassem: esta nossa vizinha é pessoa de muita fé e boa pessoa, não precisa tanto de ir à missa, eu também não preciso ir muito à igreja!…
E quem tem uma fé firme como a desta senhora deve participar da comunidade para comunicar aos outros a sua fé também.
Sabemos que não há momentos iguais em nossa caminhada. Às vezes vem uma pessoa e me diz: Padre, obrigado, hoje o senhor disse uma palavra que me tocou diretamente como eu estava precisando. É o que chamamos de graça atual, são momentos em que Deus aproveita e envia uma luz exatamente como estávamos precisando. No tempo de Deus para nós tudo é graça !