Lectio Divina, Notícias › 25/02/2018

Lectio Divina – Ano B: Domingo da 2ª Semana da Quaresma

No livro do Gênesis 22,1-2.9-13.15-18,  Deus põe à prova Abraão pedindo que ofereça seu filho como sacrifício ao Senhor. Obedecendo a Deus, Abrão levou seu filho á montanha com tudo para o sacrifício, mas sem nenhum animal. O filho lhe perguntou pelo animal. Ele disse que Deus iria providenciar. Tudo preparado, quando Abraão vai sacrificar seu filho, um anjo o detém e lhe diz que Deus está satisfeito com sua obediência, ai está um cordeiro para o sacrifício. E o Senhor o abençoou e prometeu fazer sua família numerosa.

Em vários momentos Deus prova a fé e a confiança de Abraão. Em todos essas provas, Abraão mostrou sua fé firme. Dele vem todo o povo judeu, escolhido para ser o povo de Deus. Por ele Deus abençoou todos os seus descendentes. Dele veio o Salvador prometido e esperado.

Há várias explicações para esse pedido de Deus a fim de comprovar a fé de Abraão. Não as quero apresentar pois a finalidade destas linhas é mais espiritual com o sentido que vemos logo nos fatos apresentados.

O verdadeiro homem de fé em Deus, de confiança total em sua palavra, em suas orientações é ouvir, acolher com sinceridade e obedecer com amor.

Vemos esta fé claramente na vida de muitos santos. Ouvir com atenção o que o Senhor quer, não discutir, aceitar de coração mesmo sem entender ou até se com isso encontrarmos muito sofrimento.

Antes de Cristo temos muitos casos na vida dos profetas.

Em alguns santos que tiveram visão do Senhor ou de algum seu enviado, quando recebiam ordem ou recado para dizer a um superior qual a vontade de Deus, aconteceu que o superior nem deu atenção. E Deus não fez nada contra este responsável. Deu tempo ao tempo até que por algum milagre ou sinal especial pode convence-lo qual era sua vontade.

Foi assim em Guadalupe, em Lourdes, em Fátima etc.

A prudência pede a quem pensa ter uma inspiração divina para alguma iniciativa especial, que se oriente com um sacerdote prudente para discernir o que de fato pode fazer. Muitos podem se enganar.

Isso para a vida pessoal na orientação religiosa mas principalmente quando entram em jogo outras pessoas.

Infelizmente conhecemos casos de visionários que criaram muitos problemas à Igreja…

Na carta aos Romanos 8, 31-34, o apóstolo afirma que se Deus é por nós quem será contra nós? O Senhor sacrificou o próprio Filho por nós. Por isso recebemos tudo o que Deus nos quer dar por meio de seu Filho que intercede sempre por nós.

Nossa vida religiosa nos coloca diante de Deus, faz-nos entender quem Ele é, o que deseja de nós, qual a colaboração que espera de nossa parte para nossa vida e para a vida dos outros.

Nossa pertença à família de Deus, leva-nos a procurar sempre conhecer  sua vontade, seu plano sobre nossa vida, firmando-nos na certeza de nossa fé em sua Igreja.

Pela sinceridade e pela clareza de quem somos e como fazemos parte do reino de Deus, não temos necessidade de procurar outro apoio.

Este é o sentido do que s. Paulo afirma: se Deus é por nós, não precisamos buscar nada para garantir que estamos no caminho certo. Não preciso conhecer mais ninguém que oriente minha vida. Estou contente com Deus. Nem devo ter medo de nada. Deus é mais que tudo.

A garantia de que o amor de Deus é que me dá segurança é porque o que mais precioso Ele tem, enviou para nós: seu próprio Filho, para estar conosco, viver nossa vida, resgatar-nos de nossos erros e pecados.

Fui resgatado por Jesus. Sou da família de Deus, o melhor Pai, o mais poderoso, o mais amoroso, que jamais nos abandona, mesmo quando escapamos de suas mãos buscando outras seguranças.

Além de mandar seu Filho à terra, apresentando a todos nós como nosso melhor amigo e certeza de que sempre vai nos acompanhar, quis que Jesus mostrasse em toda a sua vida na terra quem  Ele era, como fazia o que seu Pai queria e mostrando de mil maneiras que nos amava muito.

E num gesto doloroso e forte: sofreu para nos dizer que o Pai nos ama tanto que foi capaz de sacrificar seu próprio Filho para que nos convencesse de seu amor eterno por nós.

Não nos comovamos só, nem aplaudamos gesto tão generoso. Nossa resposta deve ser: Eu aceito Deus em minha vida, quero seguir tudo o que o Pai celeste nos pediu por Jesus para mostrar-me como filho muito querido.

Em Marcos 9, 2-10, Jesus sobe a montanha com Pedro, Tiago e João e cercou-se de uma luz divina. Falava com Elias e Moisés. Pedro quer ficar ali assim. Uma nuvem encobriu-os e uma voz se ouviu: “Este é meu Filho querido, escutem o que Ele diz.”  De repente tudo ficou normal e desceram da montanha.

Este fato é chamado: Transfiguração do Senhor.

Jesus mostrou visivelmente sua divindade numa luz que transformou sua imagem numa figura extraordinariamente deslumbrante.

Cristo já estava mais ou menos na metade do tempo de sua missão evangelizadora. Os apóstolos já haviam presenciado muitos gestos de Jesus que mostravam uma força divina: a cura de doentes, o poder que dominava a natureza em momentos críticos, sua Palavra fácil e sábia que iluminava as mentes das pessoas de forma extraordinária, e confundia seus adversários,

A própria pessoa de Cristo impressionava a todos com sua bondade, firmeza, acolhimento, sensibilidade, atento a tudo a e a todos para ajudar.

Jesus quis ainda a estes três apóstolos confirmar quem Ele era e a que viera. Sobe com eles a montanha e lá se transforma externamente numa figura divina brilhante de uma forma impressionante.

Tem a seu lado o grande legislador Moisés e o maior profeta Elias. E como se não bastasse, uma nuvem celestial e iluminada os envolveu (o Espírito Santo!) e ouviu-se a voz do Pai celeste: este é meu Filho muito amado. Escutem o que ele diz.

  1. Pedro sente uma felicidade e uma paz como nunca aconteceu em sua vida, que exclama: estar aqui é muito bom. Vamos ficar aqui… E não pensa em si, mas bastavam três tendas: para Jesus, Moisés e Elias.

Afirmo com certeza: todos nós tivemos ao menos uma vez na vida momentos como este… Que fizemos depois?

Preparamos um lugar especial para Jesus?…

Aproveitamos o lugar que Ele já escolheu: sua Igreja, a Santa Missa, os Sacrários de nossas igrejas?

O Pai deu o recado especial, único e necessário: Vocês devem escutar meu Filho!

Ouvir a voz suave de nosso Mestre e Senhor, nosso Pastor a toda a hora mostrando seu coração aberto cheio de misericórdia esperando momentos para estar conosco…

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.