Francisco: o remédio contra a hipocrisia é a autoacusação

“Há uma atitude que o Senhor não tolera: a hipocrisia. É o que acontece no Evangelho de hoje. Convidam Jesus para jantar, mas para julgá-lo, não para fazer amizade”, afirmou o Papa na homilia da missa na Casa Santa Marta.
Adriana Masotti – Cidade do Vaticano

A hipocrisia foi o tema da homilia do Papa Francisco na Missa desta manhã celebrada na Casa Santa Marta, sugerido pelo Evangelho do dia, que narra a história de Jesus que é convidado por um fariseu para jantar e é criticado pelo anfitrião, porque não havia lavado as mãos antes de estar à mesa.
E o Papa comenta: “Há uma atitude que o Senhor não tolera: a hipocrisia. É o que acontece hoje no Evangelho. Convidam Jesus para jantar, mas para julgá-lo, não para fazer amigos”.

A hipocrisia, continua ele, “é precisamente aparentar ser de um jeito e ser de outro”. É pensar secretamente de maneira diferente do que aparenta ser. E Jesus não suporta isso. E frequentemente chama os fariseus de hipócritas, sepulcros caiados.

O de Jesus não é um insulto, é a verdade. “Por fora, tu és perfeito, antes ainda, engomado precisamente com a concretude – diz ainda Francisco – mas por dentro és outra coisa”.

E afirma que “a atitude hipócrita vem do grande mentiroso, o diabo”. Ele é o “grande hipócrita” e os hipócritas são seus “herdeiros”:

A hipocrisia é a linguagem do diabo, é a linguagem do mal que entra em nosso coração e é semeada pelo diabo. Não se pode viver com pessoas hipócritas, mas elas existem. Jesus gosta de desmascarar a hipocrisia. Ele sabe que será precisamente esse comportamento hipócrita que o levará à morte, porque o hipócrita não pensa se usa meios lícitos ou não, vai em frente: calúnia? “vamos caluniar”; falso testemunho? “busquemos um falso testemunho”.

O Papa continua dizendo que alguém poderia objetar “que conosco não existe hipocrisia assim”. Mas pensar isso, é um erro:

A linguagem hipócrita, não diria que é normal, mas é comum, é de todos os dias. O aparentar de uma maneira e ser de outra. Na luta pelo poder, por exemplo, as invejas, os ciúmes fazem você parecer uma maneira de ser e, por dentro, tem o veneno para matar, porque a hipocrisia sempre mata, sempre, mais cedo ou mais tarde mata.

É necessário ser curado deste comportamento. Mas qual remédio, pergunta Francisco? A resposta é dizer “a verdade diante de Deus. É acusar a si mesmo:

Precisamos aprender a nos acusar: “Eu fiz isso, eu penso assim, maldosamente … sou invejoso, gostaria de destruir aquele …”, o que existe dentro, nosso, e dizer isso diante de Deus. Este é um exercício espiritual que não é comum, não é usual, mas procuremos fazê-lo: acusar a nós mesmos, vermo-nos no pecado, nas hipocrisias, na maldade que existe em nosso coração, porque o diabo semeia a maldade. E dizer ao Senhor: “Mas veja Senhor, como sou!”, e dizer isso com humildade.

Aprendamos a acusar a nós mesmos, repete o Papa, acrescentando “talvez algo muito forte, mas é assim: um cristão que não sabe acusar a si mesmo não é um bom cristão” e corre o risco de cair na hipocrisia. E recorda da oração de Pedro quando disse ao Senhor: afasta-te de mim, porque sou um homem pecador.

“Que nós aprendamos a nos acusar – conclui o Papa – a nós, a nós mesmos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *