Dom Gregório Paixão toma posse na Academia Petropolitana de Letras

A Academia Petropolitana de Letras (APL) promoveu, no dia 9 de março de 2019, uma solenidade, na Casa de Cultura Claudio de Souza, para posse de Dom Gregório Paixão, OSB, na cadeira número 30, que tem como patrono Dom Agostinho Benassy. “Agradeço a homenagem e a todos os petropolitanos por terem me acolhido e espero nunca parar de sonhar o sonho petropolitano”, afirmou Dom Gregório Paixão, Bispo de Petrópolis, ao concluir seu discurso de posse na Academia.

A solenidade foi presidida pelo presidente da Academia, o escritor Gerson Valle, que dividiu a mesa com o secretário da APL, Cleber Francisco Alves, com Ivone Alves Sol e Luiz Carlos Gomes. Gerson Valle agradeceu a presença de todos e ressaltou a importância da posse do Bispo de Petrópolis na academia.

Luiz Carlos Gomes fez uma breve apresentação do currículo de Dom Gregório Paixão, destacando entre as obras publicadas por ele, uma sobre a Catedral São Pedro de Alcântara, que em sua opinião preencheu uma lacuna existente. A posse de Dom Gregório Paixão na APL contou com a presença de amigos do bispo e do Vigário Geral da Diocese, Monsenhor Paulo Daher.

Em seu discurso de posse, Dom Gregório Paixão surpreendeu a todos ao falar de sua história, um livro como destacou “que escrevi mais que nunca foi publicado”. Na verdade foi um relato sobre sua trajetória e sua origem, destacando a importância que seus pais, professores, formadores na Ordem de São Bento e amigos ao longo de sua vida tiveram na sua formação, como pessoa e como religioso.

O Bispo falou dos momentos de dificuldades, das vezes em que lhe foi imposta uma derrota, mais que as superou por nunca aceita-las e superando algumas perspectivas negativas conseguiu terminar o ensino médio e entrar para faculdade sendo aprovado para duas universidades. Dom Gregório Paixão ressaltou ainda que em nenhum momento senti orgulho das dificuldades que passou, mesmo tendo consciência da importância delas na sua formação, frisando que “não sinto orgulho, pois ninguém nasceu para passar fome, ser excluído ou sofrer preconceito”.

Ao final, antes de concluir seu discurso, Dom Gregório Paixão falou sobre o patrono da cadeira que passa a ocupar na Academia Petropolitana de Letras, Dom Agostinho Benassy. Ele lembrou que Dom Benassy é patrono, pois ficou conhecido como o amigo da imprensa petropolitana. Ele também falou de Dom Filippo Santoro, lembrando que foi aluno dele no curso de Teologia e de sua alegria por ter o sucedido na Diocese de Petrópolis, destacando que “Dom Filippo é um irmão querido e um amigo desta Diocese”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *