Aprofundando Sínodo dos Bispos

Especialistas se reúnem para aprofundar o documento de trabalho do Sínodo dos Bispos 2019

Teve início ontem, 16, e segue até o 18 de julho, na sede do Centro Cultural Missionário, em Brasília-DF, oSeminário de Estudo do Documento de Trabalho do Sínodo dos Bispos sobre a Pan-Amazônia, a ser realizado em outubro deste ano, no Vaticano. Participam 23 bispos, sendo 5 deles membros do Conselho Pré-Sinodal, secretário Executivo da Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM, assessores e especialistas.

Fotos: Repam/Paulo Martins

Foto: REPAM Brasil/Paulo Martins

No grupo de quase 50 participantes da atividade, além dos brasileiros residentes na Amazônia, o Seminário de Estudos reúne participantes de outras regiões do país e de outros países da Pan-Amazônia. “Este encontro é importante porque nos permite sonhar com uma Igreja mais encarnada, que não tem medo de encarar os desafios que a Amazônia enfrenta, que se propõe a dialogar com as diversidades variadas desse imenso território”, afirmou dom Adriano Ciocca, bispo Prelado de São Félix do Araguaia, um dos organizadores do evento, na abertura do Seminário.

O objetivo do encontro é, a partir do contexto desafiador da Amazônia e da memória do percurso sinodal realizado até agora, aprofundar coletivamente o estudo do Documento e Trabalho, para elaborar propostas concretas e fundamentadas em vista da Assembleia Sinodal de outubro.

Para o secretário executivo da REPAM, Maurício Lopez, o Instrumento Laboris, mesmo que ainda incompleto, permite que os povos se reconhecem nele. “Agora, no Sínodo, é momento de defendermos a voz de Deus que veio por meio dos povos”, disse.

Durante os três dias, a proposta é que o grupo se concentre em torno a três grandes eixos de estudo e propostas:
A realidade amazônica: como responder ao grito da terra e dos pobres no chão da Amazônia, terra em disputa entre, de um lado, os povos indígenas, os quilombolas e comunidades tradicionais, com suas formas próprias de vida e, de outro, a voracidade do capital de mineradoras, madeireiras, agronegócio e grandes projetos de energia e infraestrutura?
Uma Igreja toda ela ministerial: como reconhecer, ampliar, consolidar e consagrar a diversidade dos ministérios e o papel das mulheres, com especial atenção ao clamor das comunidades pela Eucaristia, como direito de todo o Povo de Deus?
Os desafios do mundo urbano, que concentra cerca de 80% da população da região: como suscitar comunidades vivas e atuantes entre os moradores, em sua maioria, migrantes marginalizados na periferia das cidades, mas também entre os jovens nas escolas e universidades? Como lidar com a cultura secularizada e consumista difundida pelos meios de comunicação e com a grande diversidade de Igrejas e movimentos religiosos, desafio importante para o ecumenismo, o diálogo inter-religioso, a inculturação e a cooperação em busca da justiça e do cuidado da com a Casa comum?

O encontro é organizado pelo Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular/CESEEP e pela REPAM-Brasil.

Com informações da REPAM Brasil – Colaboração: Paulo Martins

Fonte: CNBB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *