Restauração da Catedral São Pedro de Alcântara

“Após 93 anos de perseverantes trabalhos, ficou concluída a Catedral Imperial de Petrópolis. Tivemos a sorte de contar com um grupo de bravos na força de vontade, na coragem do empreendimento. E  os poucos corajosos e entusiastas puseram-se à frente da multidão anônima para erguer a Catedral. Não foi nada fácil. Mas tudo ficou pronto. E os sinos tocam na parte mais alta da Catedral. Uma luta que durou anos. Mas uma vitória para a eternidade. Dela aprendemos que os grandes feitos são conseguidos não pela força, mas pela perseverança; porque é graça divina começar bem, persistir na caminhada e não desistir nunca. A Catedral, agora, é testemunha silenciosa e loquaz do sacrifício oferecido a Deus e , contemplando-a imponentemente humilde, nasceu no coração dos que conhecem a sua história uma certeza: Quando Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”

Trecho do livro “A Catedral de Petrópolis – Santuário da Memória da Cidade Imperial” de autoria do Bispo Diocesano, Dom Gregório Paixão, OSB.

O projeto de restauração da Catedral São Pedro de Alcântara foi aprovado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 13,1, o que representa 98% do investimento global, que é de R$ 13,4 milhões. Com este recurso serão feitos o restauro externo e interno do edifício, além da implantação de uma galeria de exposições e um projeto de segurança.

A Catedral de Petrópolis recebe anualmente cerca de 300 mil visitantes e a estimativa é que a restauração da Catedral e a abertura de novas áreas para visitação aumente o interesse das pessoas em visitar a Igreja. O projeto reforçará a vocação da cidade de Petrópolis como pólo de turismo histórico-cultural no Brasil, levando um incremento anual na economia local da ordem de R$ 10 milhões.

A Catedral foi pensada e desejada pela Família Imperial

Dom Gregório Paixão, OSB, bispo da Diocese de Petrópolis, disse que a aprovação do projeto é um grande ganho para cidade, não apenas do ponto de vista da restauração de um templo religioso, “mais por sua ligação com a história local e também do Brasil, por ter sido pensada e desejada pelo Imperador Dom Pedro II e por sua filha, a Princesa Isabel”. Ele lembrou que a pedra fundamental da igreja foi depositada pelo Imperador. A Catedral de Petrópolis é um dos pontos turísticos religiosos mais visitados, tanto por sua beleza arquitetônica quanto por ali abrigar o Mausoléu da Família Imperial.

O projeto nasceu da experiência de Dom Gregório Paixão com a restauração de Igrejas em Salvador (Bahia) e principalmente do Mosteiro de São Bento. Inicialmente, a partir das pesquisas realizadas nasceu o livro “A Catedral de Petrópolis: Santuário da Memória da Cidade Imperial”, publicado em 2016. Para dar inicio ao projeto, o bispo convidou a gerente de projetos, Katia Duque Rossi e a técnica de projetos culturais de Salvador, Dênia Gonçalves e durante quatro anos trabalharam pela aprovação junto aos órgãos competentes.

Restauro artístico e a criação de uma galeria expositiva

O projeto, além do recurso do BNDES, conta com apoio do Instituto do Patrimônio, Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e da Prefeitura de Petrópolis. Katia Duque Rossi disse que o projeto da Catedral prevê o restauro artístico de seus elementos, à implantação de galeria expositiva em sua estrutura interna, que permitirá a exposição de obras artísticas e à implantação do sistema de segurança de combate a incêndio e pânico e também para obras de reforço estrutural da Catedral.

O projeto foi proposto pela Mitra Diocesana de Petrópolis, no âmbito do BNDES Fundo Cultural e faz parte de um conjunto de investimentos que vêm sendo implementados para promover a cidade como destino turístico relevante.

Recuperação estrutural da Catedral

A restauração da Catedral será dividida em três ações. Haverá o restauro externo do edifício, abrangendo, entre outros, a recuperação da cobertura e do madeiramento estrutural, elementos de ornamentação e calhas, recolocação das rosáceas e modernização de toda parte elétrica no interior e exterior da igreja, assim como instalação de sistema de combate a incêndio. Também serão realizados o restauro e a requalificação interna, com recuperação de elementos artísticos. E, por fim, haverá a implantação de uma galeria expositiva nos dois primeiros pavimentos da torre que antecedem o sino. Nas suas cúpulas e agulhas neogóticas serão instaladas uma passarela e telas de projeção para contar a história da construção da catedral, bem como exibir documentos históricos da fundação da cidade. A nova área permitirá a visitação do público à torre, com sua altura de 70 metros e vista panorâmica da cidade.

Clique aqui para ler o Contrato entre o BNDES e a Mitra Diocesana de Petrópolis ou na imagem a abaixo.

 

Clique aqui para ler o Estatuto Mitra Diocesana de Petrópolis

Direção Executiva da Mitra Diocesana

Presidente: (Bispo Diocesano)
Dom Gregório Paixão, OSB

Vice-presidente: (Vigário Geral da Diocese)
Mons. José Maria Pereira

Secretário: (Chanceler da Cúria Diocesana)
Pe. José Luiz Montezano

Tesoureiro: (Ecônomo)
Pe. Jorge Luiz Pacheco de Medeiros