Mais uma edição do Julho Verde Padre Quinha. Se junte a essa corrente do bem para resgatar vidas. Divulgue essa ideia e participe da nossa.

As doações para a campanha também podem ser feitas por meio de depósito bancário na conta da instituição. Banco Itaú Ag: 0122 Cc: 13671-6, Titular: Associação Oficina de Jesus e CNPJ: 06.230.562/0001-08.

LUANA MOTTA (Redação Tribuna)
Fonte: Jornal Tribuna de Petrópolis Edição 30 de junho de 2019

Além dos bons exemplos de fé, caridade e generosidade, o Padre José Carlos Nunes, o Padre Quinha, deixou um outro legado: a Oficina de Jesus. Fundada em 1997, nasceu com a proposta de acolher e reabilitar pessoas que sofrem com a dependência de álcool e drogas.

Embora a Oficina seja uma instituição, todos podem fazer parte dela e dar continuidade ao trabalho. Neste mês, foi lançada a Campanha Mil Amigos, que de pouquinho em pouquinho pode ajudar a manter vivo o sonho do Pe. Quinha. Para manter o trabalho de acolhimento, são muitos custos.

A Oficina atende cerca de 300 pessoas por ano, e todos os meses têm despesas de alimentação, transporte para emergências médicas, manutenção de estrutura, luz, água, salário dos funcionários, entre outros. Que são custeados com doações e eventos promovidos pela instituição.

A Campanha Mil Amigos Padre Quinha, surgiu da ideia de unir pessoas que queiram ajudar a restaurar vidas. Todos podem participar da campanha com qualquer valor mensal.

Cada pessoa contribuindo com um real por dia, no fim do mês poderá juntar R$ 30, como explica o gestor executivo da obra, Roni Ribeiro.

A campanha foi lançada no site benfeitoria (https://benfeitoria.com/milamigospadrequinha), onde as contribuições podem ser feitas virtualmente.

A expectativa é que até o fim deste ano, consigam mobilizar mil colaboradores, amigos do Pe. Quinha. O sítio da Oficina de Jesus, fica no Brejal, e atende atualmente 20 pessoas. Roni explica que o trabalho busca não só fazer com que os internos superem o consumo de álcool e drogas, mas busca o resgate da dignidade.

“As drogas roubam a identidade dessas pessoas, e depois cobram um preço que eles não podem pagar. O trabalho busca mostrar que existe um caminho, que juntos podemos virar essa página”, disse.

A obra acolhe gratuitamente, sempre visando a prevenção, reabilitação e a reinserção social de dependentes e seus familiares. Ainda é trabalhada uma base importante, segundo o carisma do Padre Quinha, que é a espiritualidade.

O Sítio é considerado um lugar de reencontro pessoal e com Deus, para que cada pessoa possa encontrar seu lugar na comunidade e “juntos construir um mundo mais justo, fraterno e solidário para todos”.

As doações para a campanha também podem ser feitas por meio de depósito bancário na conta da instituição. Banco Itaú Ag: 0122 Cc: 13671-6, Titular: Associação Oficina de Jesus e CNPJ: 06.230.562/0001-08.

LUANA MOTTA (Redação Tribuna)
Fonte: Jornal Tribuna de Petrópolis Edição 30 de junho de 2019

No mês de julho serão realizadas diversas atividades, com o objetivo de conscientizar a população sobre os malefícios das substâncias psicotrópicas ativas (álcool e drogas) com debates educativos e ações de evangelização.

A abertura da programação acontece hoje, às 11h, com a celebração de uma Missa, na Igreja Matriz São José de Itaipava. E segue por todo o mês. No dia 01 de julho, aniversário do nascimento do Padre Quinha, será feita a transmissão ao vivo pela página da Oficina de Jesus no Facebook da oração do terço Padre Quinha, às 18h.

No dia 07, terá um show de prêmios às 14h, no Liceu São José de Itaipava. Dia 13, terá um Mega Bazar Padre Quinha, no Espaço Calvário, no Quitandinha.

No dia 14, será o dia D Padre Quinha Sangue Bom, quando terá uma mobilização para doação de sangue no Banco de Sangue do Hospital Santa Teresa, de 7h às 18h.

No dia 21, é a Festa Julina no Sítio Nossa Senhora das Graças, no Brejal, às 13h.

E no dia 27, será a Caminhada da Esperança. A concentração é às 14h, na Catedral e às 16h, terá a celebração de uma Missa no Trono de Fátima

A Associação Oficina de Jesus, teve ínicio no ano de 1997, quando o Pe. Quinha, desenvolvendo um trabalho com os mais necessitados, se deparou com uma situação que muito o preocupou: o problema dos dependentes de álcool.

Depois de profundos momentos de oração, partilhando com alguns paroquianos, decidiu dar início a um trabalho que inicialmente nem sabia como fazer. Começaram a conversar com moradores de rua dependentes de álcool, e também aqueles que tinham família e onde morar, porém viviam essa triste realidade.

Foi realizado um encontro de cinco dias com setenta dependentes, onde rezamos e falamos da importância de conhecerem o Evangelho. Para continuarmos a acompanhá-los organizamos um grupo e começamos a nos reunir semanalmente na Paróquia, com o objetivo de orientar e dar apoio.

Quer saber mais clique aqui

O Padre José Carlos Medeiros Nunes, o Pe. Quinha, faleceu na madrugada do dia 18 de janeiro de 2013. Ele estava na casa da família quando teve um enfarto fulminante, de acordo com nota divulgada pela Diocese de Petrópolis.

O corpo será levado para a Igreja Santa Luzia, na Laginha, em Itaipava, onde será velado até às 20h. Em seguida, será transladado para a Igreja São José, de Itaipava. A missa de corpo presente será presidida pelo bispo diocesano Dom Gregório Paixão amanhã (19), às 11h, e o sepultamento acontece em seguida.

Padre Quinha nasceu em Petrópolis em 01/07/1956. Sacerdote Diocesano por mais de 15 anos, foi incentivador do Grupo Assistencial SOS VIDA e da Pastoral da AIDS na diocese de Petrópolis, além de fundador da Associação Oficina de Jesus. Foi vigário nas paróquias de Corrêas, Itamaraty e Catedral. Dirigiu seu Ministério aos menos favorecidos, sejam doentes, encarcerados e dependentes químicos. Fundou a Associação Oficina de Jesus para cuidar dos dependentes de álcool e drogas, trabalho realizado em dois sítios: Nossa Senhora do Sorriso e Nossa Senhora das Graças.

O padre recebeu a Medalha Koeler e o título de Vigário da Caridade pelos serviços prestados. Fundou também uma entidade de reciclagem. Desde a juventude envolveu-se com movimentos com os jovens, onde descobriu a sua vocação para o Sacerdócio. Além dos sítios, fundou três casas para acolher os irmãos de rua.