dom gregorio“Não é uma discussão sobre a homossexualidade, uma questão ligada a heterossexualidade, não é o desejo de nós discutirmos sobre o respeito que nós temos que ter com as diferenças, pois é uma questão que não se pode questionar. Nós precisamos respeitar as pessoas que são diferentes. Não podemos imaginar que num colégio se vá ensinar que se deve apedrejar, chincar, zombar de uma pessoa só porque ela é homossexual ou porque tem esta ou aquela tendência. A questão aqui é sobre uma ideologia que procura encobrir o fato dos seres humanos se dividirem em dois sexos, isto é, masculino e feminino, homem e mulher” afirma o Bispo da Diocese de Petrópolis, Dom Gregório Paixão, OSB.

Leia matéria na íntegra e ouça o áudio da palestra clicando aqui

No último dia 23 de junho o programa Ecclesia, Igreja Católica em Foco recebeu o padre Anderson Machado Rodrigues Alves, sacerdote da diocese de Petrópolis.

O Ecclesia, Igreja Católica em Foco é o programa televisivo da diocese de Petrópolis que tem por finalidade levar ao telespectador ao conhecimento da verdade unindo fé e razão: “A fé e a razão constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva à contemplação da verdade”. (encíclica Fides et ratio, de João Paulo II). O programa é exibido todas as segundas-feiras, das 20h30 às 21h30, no Canal 19 – TV VILA IMPERIAL, canal local da cidade de Petrópolis. O programa também pode ser acompanhado por meio da internet pelos internautas que acessaram o site da emissora: www.tvvilaimperial.com.br.

O convidado Pe. Anderson Alves, sendo bacharel em teologia pela Universidade de Navarra (Espanha), doutor em filosofia pela Universidade da Santa Cruz em Roma, pós-doutorando em educação na Universidade Católica de Petrópolis, onde hoje é professor de Tomismo e História Medieval, falou por cerca de 50 minutos sobre a “ideologia do gênero” e os planos municipais e estaduais de educação. Ele tratou o tema em três aspectos: como um assunto de democracia; como um assunto jurídico, relacionando a dita ideologia e o Direito nacional; e como um assunto de razão, expondo o que a ideologia diz realmente, acentuando nove contradições encontradas nas obras dos difusores dessa “pseudo teoria científica”. Não foi tratada a questão a partir da fé ou da teologia, mas apenas da razão natural.

Sem alarde ou debate, a palavra ‘sexo’ foi substituída pela palavra ‘gênero’. Nós costumávamos falar de ‘discriminação de sexo’, mas agora é ‘discriminação de gênero’. Com certeza parece bastante inocente. ‘Sexo’ possui um significado secundário, subentendendo relação sexual ou atividade sexual. ‘Gênero’ parece mais delicado e refinado. As militantes feministas aprenderam a partir de suas derrotas. Quando elas não puderam vender sua ideologia radical para as mulheres em geral, elas lhe deram uma nova roupagem. Agora elas são bastante cuidadosas em revelar seus verdadeiros objetivos. Elas pretendem alcançar seus fins não por uma confrontação direta, mas através de uma mudança no significado das palavras.

Eu teria querido unir-me a elas na batalha pela eliminação dos verdadeiros abusos, com o objetivo de tornar a vida melhor para as mulheres, mas a ideia das militantes feministas de uma mudança positiva consistia em deitar abaixo a família, promover a liberação sexual e defender o aborto a pedido. Não se pode permitir às feministas dissolver todas as famílias e destruir todos os casamentos apenas porque elas têm medo do casamento e da maternidade.
Vim a descobrir, mais tarde, que há muito mais de errado com o feminismo do que eu havia imaginado. Conforme pude comprovar posteriormente, a música ficava mais alta e mais clara, e finalmente descobri qual era a canção que estavam cantando.
O que aconteceu nas Conferências da ONU sobre População, realizada do Cairo, em 1994, e sobre as Mulheres, realizada em Pequim, em 1995, é muito importante. Não tanto porque a ONU possa forçar sua vontade sobre os Estados Unidos, já que somente os países pobres que dependem da ajuda externa serão forçados a aceitar as agendas promulgadas nestas conferências. É muito importante porque a guerra cultural é uma batalha de ideias, e a ONU possui os recursos e o prestígio para promover a sua agenda junto aos líderes mundiais, às crianças em idade escolar e aos meios de comunicação.

Saiba mais: A Agenda de Gênero _ Redefinindo a Igualdade, condensado da obra de Dale O’Leary

dom-leonardo-steiner-abr1Urge uma ação de nossa parte, como Bispos. Contando com a atuação dos leigos, especialmente dos pais, dos agentes da pastoral familiar e de educadores, é preciso contatar, com urgência, os vereadores que já estão votando ou virão brevemente a votar. Em diálogo com eles, solicitem conhecer e avaliar o respectivo Plano Municipal, atentando-se a aspectos que precisam ser contemplados, tais como: controle do investimento financeiro do município; garantia de capacitação dos docentes; garantia de infraestrutura de cada unidade escolar, além de expressar nosso posicionamento contrário à inclusão da ideologia de gênero.

Saiba mais: Carta do Secretario Nacional da CNBB, Dom Leonardo Steiner

“A ideologia de gênero afirma que ninguém nasce homem ou mulher, mas deve construir sua própria identidade, isto é, o seu gênero ao longo da vida. Então, o que significa gênero? Gênero seria uma construção pessoal, autodefinida, e ninguém deveria ser identificado como homem ou mulher, mas teria de inventar sua própria identidade. Quer dizer que essas pessoas acham que ser homem e ser mulher são papéis que cada um representa como quiser? Exatamente. Para eles, não existe homem ou mulher, cada um deve inventar sua própria personalidade como quiser.” (Professor Victorio Galli)

Saiba mais:

Perspectiva de gênero: seu perigo e alcance (por Jutta Burggraf)

Caindo no conto do gênero – Entrevista com Pe. Eduardo de Oliveira

Discurso do Deputado Izalci

Discursos-do-Professor-Victorio-Galli-15-maio-2015

Discursos-do-Professor-Victorio-Galli-21-maio-2015

Se olharmos para os últimos séculos da nossa história , descobrimos que o movimento feminista mudou profundamente a nossa convivência , tanto na família e na sociedade. Estas mudanças pareciam , a princípio, justa e necessária ; Mais tarde, eles foram identificados, com crescente preocupação , como nocivo e exagerado ; e , hoje, eles são ( e quero estar ) totalmente destrutivo. Para ilustrar esta afirmação , vou descrever brevemente as três fases principais no processo de “libertação” das mulheres desenvolve . Estas três fases mostram uma certa evolução cronológica das idéias e fatos , no Ocidente. No entanto , eles não são estritamente separadas na realidade , eles são intercaladas e misturou-se , em muitos países . Vivemos em sociedades multiculturais , que podem observar simultaneamente os fenômenos mais contraditórias .

Saiba mais: Homem e mulher – natureza ou cultura

Prezados sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas, fiéis cristãos leigos em geral e demais pessoas de boa vontade da nossa Diocese de Frederico Westphalen (RS), dirijo-lhes esta Nota Pastoral para expor um assunto da máxima importância nos nossos dias: a tentativa de implantação da perigosa, mas pouco conhecida, “ideologia de gênero” no Plano Municipal de Educação (PME) de nossos municípios. Desejo, portanto, caríssimos irmãos, expor, em três pontos, uma breve orientação a fim de que cada um em seus meios lembre-se de que não fomos chamados à indiferença ante os problemas que nos afligem, mas, sim, a ser sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5,13-14), pois tudo o que, de algum modo, diz respeito ao homem de hoje, interessa à Igreja (cf. Gaudium et Spes n. 1).

Saiba mais: Nota Pastoral sobre o risco da ideologia de gênero

bento-16De acordo com tal filosofia, o sexo já não é um dado originário da natureza que o homem deve aceitar e preencher pessoalmente de significado, mas uma função social que cada qual decide autonomamente, enquanto até agora era a sociedade quem a decidia. Salta aos olhos a profunda falsidade desta teoria e da revolução antropológica que lhe está subjacente. O homem contesta o facto de possuir uma natureza pré-constituída pela sua corporeidade, que caracteriza o ser humano.

Saiba mais: Pronunciamentos sobre a Ideologia de Gênero do Papa Bento XVI

A. VíDEOS.

1. Audiência Pública. A Ideologia de Gênero na
Legislação Brasileira: https://www.youtube.com/watch?v=NO51AdsCPJ0

2. O Paradoxo da Igualdade:

B. ARTIGOS.
1. Caindo no Conto do Gênero:
http://www.zenit.org/pt/articles/caindo-no-conto-do-genero

2. Pais na cadeia! Crime: discriminação de gênero.
Vítimas: os filhos:
http://biopolitica.com.br/index.php/cursos/38-pais-na-cadeia-crime-discriminacao-de-genero-vitimas-os-filhos

3. O Secularismo na Suécia
http://biopolitica.com.br/index.php/cursos/26-o-secularismo-na-suecia

C. LEGISLAÇÃO.
1. Aprovação definitiva do Plano Nacional de Educação, sem a ideologia de gênero:
http://blog.comshalom.org/carmadelio/40768-vitoria-ideologia-de-genero-retirada-definitivamente-plano-nacional-de-educacao

2. Plano Nacional de Educação, aprovado pelo Congresso Nacional:
[Examinar as diretrizes aprovadas no artigo 2, especialmente o item 3, onde não há menção ao gênero: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm

3. CONAE – Documento Final disponibilizado pelo MEC, completo:
[Examinar as diretrizes mencionadas nas páginas 18 e 19, especialmente o item 3, onde o MEC reescreve as diretrizes aprovadas pelo Congresso Nacional, re-introduzindo a ideologia de gênero que havia sido rejeitada pelos parlamentares. Ademais, nas páginas seguintes, há quase duzentas citações dos conceitos de gênero como sendo de adoção obrigatória pelos municípios:
http://conae2014.mec.gov.br/images/doc/Sistematizacao/DocumentoFinal29012015.pdf

4. CONAE – Documento Final disponibilizado pelo MEC, resumido e sublinhado:
http://www.votopelavida.com/conae2014.pdf

D. RELATÓRIOS.
1. A Agenda de Gênero: http://www.votopelavida.com/agendagenero.pdf

E. DOCUMENTOS DA IGREJA.
1. Pronunciamentos sobre a Ideologia de Gênero do Papa Bento XVI, da Conferência Episcopal
Portuguesa, da Conferência Episcopal Peruana, do Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro:
http://www.cristianismo.org.br/igreja-pronunciamentos-sobre-genero.pdf