Diocese, Notícias › 15/04/2019

Dom Gregório Paixão: “Ele não entrou em Jerusalém como Herodes e César, mas, montado num burrinho”

Clique na imagem e veja outras fotos

Com o Domingo de Ramos, celebrado no dia 14 de abril, a Igreja Católica deu início a Semana Santa e este ano, o bispo da Diocese de Petrópolis, Dom Gregório Paixão, OSB fez a abertura presidindo a missa na Catedral São Pedro de Alcântara, concelebrada pelo pároco, Padre Adenilson Ferreira e pelo reitor do Seminário Diocesano, Padre Luiz Henrique. Durante a semana diversas atividades acontecerão em toda a Diocese com as paróquias realizando momentos de celebração, confissão e oração, sendo que o ponto alto é o Tríduo Pascal, iniciado na quinta-feira com a missa do Lava-pés ou instituição da eucaristia e concluída com a Vigília Pascal, lembrando a ressurreição de Jesus Cristo.

Em sua homilia (ouça aqui), o bispo diocesano ressaltou inicialmente a forma como Jesus Cristo, filho de Deus, o messias esperado pelo povo judeu entrou em Jerusalém. “Ele não entrou em Jerusalém como Herodes e César, mas, montado num burrinho. Jesus conhecia a realidade do povo e era assim que o povo andava. O povo vendo a simplicidade daquele que caminhou com eles, por isso o aclamavam. Eram pessoas simples, eram os humildes, que com sua palavra viram suas vidas transformadas”.

A manifestação do povo, aclamando aquele homem simples, de palavra sincera e verdadeira, segundo Dom Gregório Paixão, não foi aceita pelos fariseus. A preocupação deles era com o bolso e o poder e não queriam perder nada e por isso passaram a tramar contra Jesus. O bispo chama atenção que revoltados, os fariseus manipulam o povo e fazem com que preferem soltar um ladrão/assassino – Barrabás – e condenam Jesus a morte de cruz.

Dom Gregório Paixão afirmou que a celebração de Domingo de Ramos, a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, não é uma história, mas uma realidade que aconteceu no passado e que se realiza hoje. Ele lembrou que vivemos numa sociedade consumista, que busca atender sua necessidade pelo imediatismo, frisando que “hoje, mais do que nunca vivemos a sociedade do espetáculo e aquilo que se deu na vida de Jesus, se aqueles homens tivessem um celular na mão escreveriam ‘ele acaba de ser crucificado kkkkk’, pois é assim que muitas vezes fazemos”.

O bispo fez esta afirmação devido aos muitos comentários que as pessoas fazem nas redes sociais, inclusive cristãos, curtindo ou rindo da desgraça alheia, divertindo-se e apoiando a humilhação imposta a diversas pessoas. “O triunfo de Deus se dá na cruz pela humildade, por compreender a miséria humana, por sentir todas as dores. Jesus aceitou as dores. Nós não podemos fugir das dores, mas podemos fugir do sofrimento, pois a nossa caminhada não termina na cruz e nem no sepulcro vazio, pois Cristo ressuscitou e está vivo entre nós”, afirmou Dom Gregório Paixão.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.