Artigos, Lectio Divina › 18/08/2018

Deixem vir a mim as crianças

Ano B – Sábado da 19ª Semana do Tempo Comum

Ezequiel 18, 1-10, 13b. 30-32, o profeta ouve Deus dizendo que significa este provérbio: “os pais comeram uvas verdes e seus filhos nasceram com dentes estragados. Não se repita mais isso. Todas as vidas me pertencem. Quem pecar deve morrer. Devem procurar ser justos: respeitar a justiça e o direito,, não  oferecer  sacrifícios aos deuses, respeitar a esposa dos outros, dar de comer aos famintos e vestir os nus. Arrependam-se. Criem um espírito e um coração novos. Convertam-se e viverão.”

A vida física de nosso corpo tem suas leis de desenvolvimento que levam ao amadurecimento do organismo, mantendo-o com saúde. Assim podemos com o trabalho atender às nossas necessidades.

Nossas qualidades espirituais: inteligência, vontade, sensibi-lidade, liberdade são capazes de equilibrar a saúde do corpo e dar-nos possibilidade de amadurecer nosso espírito.

Quando tudo o que somos em sua parte física e espiritual caminha em harmonia, nós nos realizamos como pessoas felizes.

Nossos dons espirituais manifestam nossos desejos, sonhos, projetos que ajudam-nos a um equilíbrio em nossa personalidade.

As escolhas egoístas que satisfazem mais nossos gostos sem orientação moral, prejudicam todo nosso ser, o espiritual e o físico.

O que o profeta apresenta são desvios de pessoas com res-ponsabilidades pessoais, familiares e sociais que além de desvia-las dos caminhos do bem e da verdade, prejudicam muitas pessoas.

Duas palavras abrem caminho para nos preocupar mais seriamente com as propostas de Deus: conversão de vida e corações  novos. Estamos dispostos a mudar, melhorar nosso modo de viver, buscando renovar os sentimentos de nosso coração?

Mateus 23, 1-12, levaram crianças a Jesus para que impusesse suas mãos sobre elas. Mas os discípulos as repreendiam, as afastavam. Jesus disse: deixem vir a mim as crianças porque delas é o reino dos céus. E depois de impor suas mãos sobre elas, Jesus partiu dali.

Todo pai, toda mãe quando veem seus filhos crescerem, embora alegres e felizes com a presença deles como sinal de felicidade em sua família, preocupam-se com seu futuro.

Quanto á sua saúde procuram seguir as orientações dos pediatras para manter em dia a estabilidade da saúde e crescimento. Os que tem fé em Deus, buscam por  meio de orações e promessas a Deus por intercessão dos santos a proteção para seus queridos.

Na cultura oriental de então e ainda em países do Oriente hoje, a criança participa pouco da vida dos adultos. Jesus quebra este hábito e não só acolhe as crianças mas até as coloca como exemplo para nós: se vocês não se tornarem como as crianças, não vão entrar no reino dos céus.(Mt 18,3) Porque também: o reino dos céus pertence a elas. São donas do reino de Deus

O gesto de impor as mãos, estender suas mãos divinas sobre as pessoas e em especial sobre as crianças, lembra o primeiro gesto de Deus criando cada ser deste universo. E na criação do ser humano. Com as próprias mãos preparou o barro, fez uma figura de homem e soprou a vida nele.

Nossa Igreja dá aos sacerdotes este mesmo poder na ordenação sacerdotal: o que abençoares em nome de Deus será abençoado.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.