Mons. Francisco Gentil Costa

Mons. Francisco Gentil Costa

Nasceu na histórica cidade de Parati, no Estado do Rio de Janeiro, Monsenhor Francisco Gentil Costa.

Freqüentou o Seminário Diocesano de Niterói, onde foi preparado para os sagrados ofícios de seu apostolado sacerdotal, sendo ordenado sacerdote em 24 de setembro de 1921.

Em 1º de setembro de 1924 foi nomeado Secretário do Bispado de Niterói e em 2 de setembro de 1928, vigário de Petrópolis.

Conquistou desde logo a admiração e estima dos petropolitanos, não só pelas obras que realizou ou ajudou a construir, como também pelos esforços que despendeu no sentido de unir os petropolitanos na fé e na esperança.

Dedicou-se de corpo e alma ao projeto da construção da Catedral São Pedro de Alcântara, iniciando uma nova fase de trabalhos, concluída em 5 de dezembro de 1939, com a inauguração do Mausoléu dos Imperadores. Foi concluída a fachada, foram colocados 54 vitrais, foi construída a escadaria e instalado, em fevereiro de 1937, o grande órgão, construído pela firma Guilherme Berner e doado por D. Olga Rheingantz da Porciúncula.

Em maio de 1943, por ocasião do Centenário de Petrópolis, organizou um grande Congresso Eucarístico que se transformou num dos mais importantes acontecimentos religiosos de nossa cidade.

Foi um dos grandes entusiastas da criação da Diocese de Petrópolis, idéia que se tornou vitoriosa com a Bula Pastoral de 13 de abril de 1946, do Papa Pio XII.

Foi um grande colaborador de nosso 1º Bispo, D. Manoel Pedro da Cunha Cintra, na criação do Seminário de Nossa Senhora do Amor Divino, das Faculdade Católicas Petropolitanas, posteriormente transformadas na Universidade Católica de Petrópolis, na construção da magnífica torre da Catedral.

Dirigiu ainda Monsenhor Gentil os trabalhos da construção da nova Igreja do Rosário, concluída a 30 de abril de 1978.

Foi membro da Academia Petropolitana de Letras, tendo assumido, em 8 de fevereiro de 1942, a cadeira de nº 19, patrocinada por D. Francisco do Rego Maia. Proferiu inúmeras palestras de grande interesse social, literário e doutrinário e publicou inúmeros artigos na imprensa petropolitana.

Foi agraciado com os títulos de Camareiro Secreto, Prelado Doméstico e Protonatário Apostólico, pela Santa Sé.

Faleceu em Petrópolis, em 2 de abril de 1982, após ter celebrado 60 anos de sacerdócio. (Fonte: Instituto Histórico de Petrópolis