Diocese, Notícias › 07/08/2018

Caminhada encerra o Julho Verde da Oficina de Jesus

06 08 20018 Caminhada Oficina de Jesus

Clique na imagem e veja o álbum de fotos

O Julho Verde – Padre Quinha terminou domingo, dia 5 de agosto de 2018, com a caminhada saindo da Catedral São Pedro de Alcântara até o Trono de Fátima, onde foi celebrada a missa presidida pelo Vigário Diocesano da Caridade, Padre Rafael Soares. O objetivo da campanha foi levar as pessoas a se conscientizarem sobre os problemas que uso de drogas causa na vida das pessoas e de suas famílias.

Durante o percurso da caminhada, que contou com a presença da coordenadora da Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos (APPO), Ana Cristina, os participantes rezaram e também o terço denominado Terço do Padre Quinha, quando se repete a frase criada por ele: “Todo hora todo dia, de mãos dadas com Maria”. Padre Rafael Soares disse que, além da caminhada encerrar o Julho Verde, foi uma forma de homenagear Padre Quinha, pois ela aconteceu no primeiro domingo de agosto, dedicado pela Igreja Católica no Brasil ao sacerdote.

O diretor executivo da Oficina de Jesus, Roni Ribeiro lembrou que Padre Quinha nunca desistiu de ninguém e sempre acreditou na recuperação da pessoa, mesmo quando ela mesma achava que não tinha mais recuperação, frisando que “Deus nunca desisti de nós e por isso não podemos desistir das pessoas”. Ele explicou que a campanha Julho Verde foi um desafio para todos, pois teve por objetivo resgatar todo legado deixado pelo Padre Quinha.

Roni Ribeiro ressaltou que foi uma oportunidade para mostrar a todos que a obra – Oficina de Jesus – continua e, segundo ele, durante todo mês de julho foram vários testemunhos de pessoas agradecendo o que a obra fez nas suas vidas ou de parentes e amigos. “Julho Verde terminou, mas a obra e o legado do Padre Quinha continua. O mês de julho passa a ser um marco e será sempre um tempo de reviver o carisma da obra e por isso para o próximo ano já temos vários projetos em discussão”, afirmou Roni.

– Agradeço a todos que abraçaram a proposta do Julho Verde, pois somos chamados a fazer aquilo que o Padre Quinha sempre fez levar esperança e dignidade a cada pessoa, para que tenham a oportunidade de viver em Deus e colocar seus talentos a serviço da comunidade, afirmou Roni Ribeiro.

O diácono permanente, João Medeiros, irmão do Padre Quinha, contou que a Oficina de Jesus teve inicio em 1997 com alguns encontros e em 2000 demos inicio ao primeiro sítio – Sítio do Sorriso. “Fazer as pessoas mudarem de vida, começando uma nova vida. Este foi sempre o desejo do Padre Quinha e por isso criou a Oficina de Jesus”.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.