Artigos, Catequese do Papa › 07/08/2019

“A mão de Jesus é a nossa mão, sempre estendida para ajudar o outro”

Catequese sobre os Atos dos Apóstolos: 5. “Em nome de Jesus Cristo, o nazareno, levante-se e ande” (Atos 3: 6). A invocação do nome que libera uma presença viva e ativa.

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Nos Atos dos Apóstolos, a pregação do Evangelho não depende apenas de palavras, mas também de ações concretas que testemunham a verdade do anúncio. Estes são “prodígios e sinais” ( Atos 2:43) que ocorrem pelo trabalho dos Apóstolos, confirmando sua palavra e demonstrando que eles agem em nome de Cristo.

Acontece que os apóstolos intercedem e Cristo age, agindo “com eles” e confirmando a Palavra com os sinais que a acompanham (Mc 16,20). Tantos sinais, tantos milagres que os apóstolos fizeram eram apenas uma manifestação da divindade de Jesus.

Hoje nos encontramos antes da primeira história de cura, antes de um milagre, que é a primeira história de cura no livro de Atos. Tem um claro propósito missionário, que visa despertar a fé.

Pedro e João vão rezar no Templo, o centro da experiência de fé de Israel, à qual os primeiros cristãos ainda estão fortemente ligados. Os primeiros cristãos oraram no templo em Jerusalém. Lucas registra a hora: é a nona hora, isto é, três da tarde, quando o sacrifício foi oferecido como sinal da comunhão do povo com seu Deus; e também a hora em que Cristo morreu se oferecendo “de uma vez por todas” ( Heb9,12; 10,10).

E na porta do templo chamado “Bella” – a porta Bella – eles veem um mendigo, um homem paralítico desde o nascimento. Por que o homem estava na porta?

Porque a Lei mosaica (veja Lv 21,18) impedia de oferecer sacrifícios a quem tivesse problemas físicos, considerada uma consequência de alguma culpa.

Lembre-se que em face de um homem cego de nascença, o povo pergunta a Jesus: “Quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?” ( Jo9.2). Segundo essa mentalidade, sempre há uma falha na origem de uma malformação.

E mais tarde lhes foi negado o acesso ao Templo. O aleijado, o paradigma dos muitos excluídos e descartados da sociedade, está ali para pedir esmolas como todos os dias. Ele não podia entrar, mas ele estava na porta.

Quando algo inesperado acontece: Pedro e João chegam e acontece um jogo de olhares. O aleijado olha para os dois para pedir esmola, mas os apóstolos olham para ele, convidando-o a olhar para eles de uma maneira diferente, para receber outro dom.

O aleijado olha e Pedro diz: “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho eu te dou: em nome de Jesus Cristo de Nazaré, levanta-te e anda.

Os apóstolos estabeleceram um relacionamento, porque é assim que Deus ama a se manifestar, no relacionamento, sempre em diálogo, sempre em aparições, sempre com a inspiração do coração: são relações de Deus conosco; através de um encontro real entre pessoas que só podem acontecer no amor.

O Templo, para além de centro religioso, era também um lugar de trocas econômicas e financeiras: contra esta redução os profetas e até mesmo o próprio Jesus (cf. Lc 19, 45-46) foram contra.

Quantas vezes penso nisso, quando vejo algumas paróquias onde se pensa que o dinheiro é mais importante que os sacramentos! Por favor! Pobre Igreja: peçamos ao Senhor por isso.

Aquele mendigo, encontrando os Apóstolos, não encontra dinheiro, mas encontra o Nome que salva o homem: Jesus Cristo, o Nazareno.

Pedro invoca o nome de Jesus, ordena que o paralítico se levante, na posição dos vivos e toca esse doente. O pega pela mão e o levanta, gesto no qual São João Crisóstomo vê “uma imagem da ressurreição”. »(Homilias sobre os Atos dos Apóstolos , 8).

E aqui aparece o retrato da Igreja, que vê os que estão em dificuldade, não fecha os olhos, sabe olhar a humanidade no rosto para criar relações significativas, pontes de amizade e solidariedade em vez de barreiras.

Aparece o rosto de “uma Igreja sem fronteiras que parece a mãe de todos” (Evangelii gaudium, 210), que sabe pegar pela mão e acompanhar para levantar – não para condenar. Jesus sempre estende a mão, sempre procura levantar, fazer as pessoas curar, ser feliz, encontrar Deus, é a “arte de acompanhamento” que é caracterizada pela delicadeza com a qual se aproxima a terra sagrada do outro. “Terra sagrada do outro”, dando à viagem “o ritmo saudável da proximidade, com um respeito e cheio de compaixão, mas ao mesmo tempo saudável, livre e encorajar a amadurecer na vida cristã” ( ibid .169).

E é isso que esses dois apóstolos fazem com o aleijado: olham para ele, dizem “olhem para nós”, estendem as mãos, eles o levantam e eles o curam. É isso que Jesus faz com todos nós. Pensamos isso quando estamos em maus momentos, em momentos de pecado, em momentos de tristeza. Jesus que nos diz: “Olhe para mim: eu estou aqui!” Vamos pegar a mão de Jesus e nos levantar.

Pedro e João nos ensinam a não confiar nos meios, que também são úteis, mas na verdadeira riqueza que é o relacionamento com o Ressuscitado. Nós somos de fato – como diria São Paulo – “pobres, mas capazes de nos enriquecer e enriquecer muitos; como pessoas que nada têm e, ao contrário, possuem tudo “(2Cor 6:10). O nosso é o Evangelho, que manifesta o poder do nome de Jesus que realiza maravilhas.

E nós – cada um de nós -, o que nós possuímos? Qual é a nossa riqueza, qual é o nosso tesouro? Com o que podemos tornar ricos os outros ricos? Pedimos ao Pai o dom de uma lembrança grata, recordando os benefícios de seu amor em nossas vidas, para dar a todos o testemunho de louvor e gratidão.

Não vamos esquecer: a mão estendida sempre para ajudar a levantar o outro; e a mão de Jesus que através da nossa mão ajuda os outros a se levantarem.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.